Publicitário reage a assalto e é morto

Ele estava com a namorada e os sogros quando casa foi invadida

Rejane Lima, O Estadao de S.Paulo

17 de março de 2009 | 00h00

O publicitário Daniel Pollisson, de 30 anos, foi morto com um tiro no peito anteontem à noite após reagir a assalto em uma casa de veraneio no Guarujá, na Baixada Santista. Até a noite de ontem, ninguém havia sido preso. O crime ocorreu por volta das 21h15, quando dois homens armados invadiram a residência, no Jardim Guaiuba, e obrigaram as quatro pessoas ali presentes - um casal, a filha e o namorado dela - a ficar em um quarto. Depois de revirar a casa à procura de objetos de valor e dinheiro, os homens pegaram os cartões e bancários das vítimas e senhas para fazer saques em caixas eletrônicos. O homem branco saiu e o moreno ficou na casa. Pouco depois, porém, o criminoso que havia saído telefonou para o comparsa dizendo que as vítimas haviam informado senhas erradas. O bandido começou a ameaçar matar todos, mesmo após a família informar as senhas corretas. Segundo o boletim de ocorrência registrado na Delegacia Sede do Guarujá, as ameaças fizeram com que Pollisson se desesperasse e "partisse para cima" do bandido, apoiado pelo pai da namorada, o administrador Reinaldo Fernandes Joaquim, de 61 anos. O bandido, porém, atirou contra o peito de Pollisson. O assaltante então pediu que o levassem dali, pois não sabia dirigir. Ele e Joaquim seguiram até uma área próxima às marinas do bairro, onde o bandido obrigou o administrador a descer e não olhar para atrás. Após ser alertada sobre um disparo, a Polícia Militar foi até a residência. O publicitário foi socorrido, mas morreu a caminho do hospital. Ele morava em Praia Grande e passaria dois dias na casa com a família da namorada no Guarujá. A polícia afirma já ter pistas sobre os criminosos. O delegado titular do Guarujá, Cláudio Rossi, acredita que um terceiro homem tenha participado da ação, como motorista. "As investigações estão adiantadas e os assaltantes deverão ser presos nos próximos dias."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.