Pulso forte para apagar a sombra do ''mito'' no Planalto

Mesmo sem inovar e repetindo práticas desgastadas, Dilma enfrenta sindicatos e partidos na tentativa de se descolar de Lula

Leonencio Nossa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2011 | 00h00

A presidente Dilma Rousseff completa 100 dias no gabinete do terceiro andar do Planalto sem dar margem a dúvidas sobre a capacidade de controlar o próprio governo. Com palavras ríspidas em conversas reservadas e gestos sutis em público, ela aproveitou a "lua de mel" e a força de governante em início de mandato para enquadrar aliados, centrais sindicais e empresários e bloquear personalismos.

Num lance duplo, a presidente petista chegou ao centésimo dia do governo da primeira mulher presidente do País reforçando seu poder político e impondo a imagem de gestora. O pragmatismo, cultivado em um revezamento nos papéis de "técnica" e "articuladora", ajudou em parte a esconder o fato de que, à semelhança dos antecessores, seu governo distribui cargos com o mesmo viés fisiológico de sempre, porém sem embaraço - e essa distribuição está longe do fim.

Logo após ser eleita na esteira da popularidade do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e indicar nomes fortes para o ministério como Antonio Palocci, Dilma deixou claro, em entrevista em novembro, que não aceitaria a fama de "rainha da Inglaterra". "Quando há o sol bem violento que atinge a cidade, sou a favor de sombra. Mas quanto às demais sombras, não acho que sejam compatíveis", disse ela sobre a hipótese de ter outros líderes no seu encalço.

Foi a relação de Dilma com Lula, no entanto, o que ganhou destaque nas análises sobre a presidente que não conseguiu ser chamada de "presidenta" fora do círculo de subordinados. Ela causou estranheza em assessores que passaram pelo governo anterior ao silenciar diante da tese da blogosfera de que os elogios recebidos eram uma forma de seus opositores tentarem desconstruir a imagem de Lula.

"A segurança de que está sendo leal ao antecessor permite que a presidente se mantenha afastada desse debate", avaliou um ministro próximo dos dois. O desprezo de Dilma pelas insinuações e a decisão de impor uma marca de governo ficou evidente na visita, no mês passado, do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil. Ela convidou ex-presidentes para o almoço no Itamaraty, entre eles o tucano Fernando Henrique Cardoso, alvo contumaz dos ataques de Lula.

Enquanto silenciou diante da suposta desconstrução do mito Lula, Dilma executou antigos sonhos do ex-chefe, como a degola de Roger Agnelli do comando da Vale, uma aposta numa área sensível do mercado. A companhia agora é chefiada por Murilo Ferreira, um simpatizante.

A presidente gosta de ser tratada com deferência e demonstrar prestígio e autoridade, observou outro assessor. Isso facilita a relação com o vice Michel Temer, do PMDB, na avaliação do mesmo auxiliar. Nos encontros com a presidente, Temer abusa do cerimonial e dos ritos e sempre observa a hierarquia.

Ela demitiu a vice-presidente de Tecnologia da Caixa, Clarice Coppeti, mulher de Cezar Alvarez, um ex-assessor direto de Lula. Semanas antes, Clarice avisou que deixaria o cargo caso fosse confirmado o afastamento de Maria Fernanda Coelho do comando do banco. Maria Fernanda também foi demitida.

O temor de ser comparada ao mito Lula seria um dos motivos de Dilma não ter dado atenção aos insistentes pedidos de aliados de redutos tradicionais do ex-presidente para participar de eventos públicos. Ela tem ignorado o know-how do governo passado em se comunicar e dialogar diretamente com os grotões, por meio de uma rede de aliados.

No debate do reajuste do mínimo, no qual enfrentou as centrais sindicais para manter o valor de R$ 545 mensais, e na repercussão da revolta de operários da usina de Jirau, Dilma, porém, recebeu provas de que a aliança com movimentos sociais, agora costurada pelo ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), se mantém forte.

No script. Auxiliares da presidente dizem estar certos de que a distensão na briga com os opositores e o fim das cerimônias com jeito de comícios foram previamente acertados com Lula. Sobre essas diferenças, o ex-chanceler Celso Amorim disse que "provavelmente" não votaria resolução da ONU contra o Irã, numa crítica ao sucessor, Antonio Patriota. O que alguns classificam de "discrição" outros avaliam como falta de criatividade. "Eu ainda não vi nada no governo Dilma. Ela bate ponto", diz o cientista político Francisco Weffort, ministro da Cultura do governo FHC. "Ao menos, ela tem a vantagem de não gritar o tempo todo, a verborragia do Lula. Já é uma grande coisa."

Um dos segredos do governo é mostrar que, mesmo quando cede a barganhas, Dilma foi quem tomou a decisão final. Exemplo: ela tirou o controle de Furnas das mãos do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), suspeito de aparelhar a administração do fundo de pensão da elétrica. Mas, em seguida, pôs no comando da estatal Flávio Decat, da sua cota pessoal, ligado à família do senador José Sarney (PMDB-MA) e citado nas gravações da Operação Boi Barrica, da PF.

Sarney ganhou dois ministérios: Minas e Energia e Turismo, entregues respectivamente a Edison Lobão e Pedro Novais - que, quando deputado, usou dinheiro da Câmara para pagar despesas em um motel.

Aliados do Planalto se esforçam em manter a cautela ao falar sobre as diferenças de estilo de Dilma e Lula. Em discurso na quinta-feira, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT), afirmou que a presidente manteve programas de Lula e tem luz própria. Segundo ele, Dilma tomou medidas alternativas ao aumento de juros e conseguiu dosar medidas fiscais, sem prejuízo para os investimentos. O deputado cita o corte de R$ 50 bilhões no Orçamento - anunciado pelo Planalto, mas por ora obscuro. "Ela mantém o firme propósito de gastar menos e gastar melhor", afirma.

No comando do oposicionista DEM, partido em processo de perda de filiados, o senador Agripino Maia (RN) diz que a presidente tenta curar a "febre" da inflação quebrando o "termômetro". "O Brasil vive o dilema de combater a inflação com um remédio de terrível efeito colateral, tornando-se um grande importador", afirma.

Luz própria

DILMA ROUSSEFF

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

"Quando há o sol bem violento que atinge a cidade, sou a favor de sombra. Mas quanto às demais

sombras, não acho que sejam compatíveis"

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.