PV impede inscrição de 'fichas-sujas'

O PV foi a primeira agremiação a impedir - publicando no Diário Oficial da União e aumentando um parágrafo em seu estatuto - a filiação e candidatura dos chamados "fichas-sujas".

, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2010 | 00h00

Pela resolução não serão admitidos como candidatos do PV políticos condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a condenação até o transcurso do prazo de oito anos por crimes contra a economia popular, a fé pública, a administração pública, por atos contra o patrimônio privado, o sistema financeiro, o meio ambiente, a saúde e contra a vida.

O texto da determinação impede ainda candidaturas de políticos com contas rejeitadas por irregularidade que configure ato de improbidade administrativa.

"Quisemos mostrar à sociedade que estávamos antenados com a ideia do projeto Ficha Limpa. Os demais partidos têm dito que vão fazer o mesmo, mas por enquanto somente nós o fizemos e publicamos em nosso estatuto, a lei dos partidos", afirmou o integrante da direção nacional do PV, Marco Antonio Mroz.

A pré-candidata à Presidência pelo PV, senadora Marina Silva, disse que a aprovação demonstra coerência do partido. "Como trabalhamos pela aprovação do Ficha Limpa no Congresso, faz sentido que nos antecipemos já na implementação", declarou.

Para uma das coordenadoras do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) em São Paulo, Carmem Cecília do Amaral, a iniciativa do PV sinaliza mudança de postura dos partidos em relação aos "fichas-sujas". "Ter candidatos honestos é um anseio da população. Podemos perceber facilmente quando fazemos os nossos eventos para coleta de assinaturas em prol do projeto", disse.

O presidente do movimento que apresentou o projeto, Márlon Reis, disse que o exemplo do PV devia ser seguido pelos demais. "Já está na hora de os partidos perceberem que eles são o primeiro filtro para evitar a candidaturas de fichas-sujas."

O PPS também já definiu que só aceitará fichas-limpas e outras legendas têm se movimentado nesse sentido. A direção nacional do PSDB afirma que fez varredura em todos as fichas de prováveis candidatos às eleições de outubro. Segundo o presidente da sigla, Sérgio Guerra (PE), o partido identificou cerca de 20 casos em que há condenação de segunda instância a pré-candidatos. Nesses casos, afirmou ao Estado, o partido "gentilmente" pedirá que não concorram.

No caso do PT, o presidente do partido, José Eduardo Dutra, afirmou que o rigor ocorre no ato da filiação. "Nos nossos quadros não têm criminosos e jamais aceitamos que uma pessoa vire candidato só para fugir de um processo judicial e buscar imunidade. Os aventureiros não prosperam." / M.A. e MALU DELGADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.