Quadrilha comandada por detentos é presa no RS

Investigações começaram no mês de março e contaram com interceptações telefônicas

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

24 de maio de 2010 | 08h05

SÃO PAULO - Uma quadrilha, comandada por detentos, foi desarticulada durante operação da Polícia Civil neste fim de semana em Taquari, no Rio Grande do Sul. Três pessoas foram detidas.

 

As investigações começaram em março passado, com o cumprimento de mandado de busca e apreensão na residência de E.S.R., de 34 anos, esposa do detento de alcunha Nenê Cabeludo, um dos líderes da quadrilha.

 

Na ocasião, foram apreendidos na residência 31 gramas de maconha, 41 pedrinhas de crack, pesando cerca de 23 gramas, além de cerca de R$ 600,00. Ela foi presa em 12 de março e encaminhada à Penitenciária Modulada de Montenegro.

 

A partir de investigações, inclusive com monitoramento através de interceptações telefônicas autorizadas judicialmente, foi possível a apreensão de 49 gramas de crack, que resultariam em cerca de 100 pedras da droga, da casa de M.T.S, o Chancho, de 32 anos, irmão dos detentos líderes da quadrilha, no último dia 12 de maio.

 

No dia seguinte, policiais civis da Delegacia de Polícia de Taquari monitoraram e seguiram L.S., a Lurdinha ou Gralha, que se deslocou de Taquari a Lajeado a fim de comprar droga para a quadrilha. Ela foi presa na estação rodoviária de Lajeado, com cerca de 98 gramas de crack. Junto com ela foi presa a mulher que lhe entregou a droga.

 

Chancho foi detido na tarde da última sexta-feira, 21, na residência de seus pais, na Linha do Tiro, em razão de mandado de prisão temporária expedido pelo Judiciário local decorrente das investigações.

 

Na tarde deste sábado, 22, foram presos W.B.S, de 31 anos, e J.A.V., o Ceninho, de 48 anos, e com inúmeros antecedentes policiais, inclusive por tráfico. Nas cuecas de W.B.S., estavam 18 petecas de cocaína, com cerca de 7,70 gramas e, escondido no pátio da residência, estavam mais 80 gramas de cocaína. A dupla estava na cidade há alguns dias para comandar a "firma" da quadrilha.

 

Foram expedidos mais sete mandados de prisão temporária, inclusive contra os detentos líderes da quadrilha, J.L.T.S, o Nenê Cabeludo, 35 anos, e J.L.T.S., o Dandão, 21 anos, ambos com condenações criminais por tráfico de drogas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.