Quadrilha conversava com hackers de todo o País

Além do ataque às contas bancárias, polícia investiga tráfico e corrupção de menores

Eduardo Kattah e Ernesto Batista, O Estadao de S.Paulo

10 de novembro de 2007 | 00h00

Apontado como o líder do esquema de ataques virtuais a contas bancárias em três Estados, Guilherme dos Santos Alves, de 23 anos, foi preso em Juiz de Fora. Ele mora em Betim, mas visitava parentes na cidade da Zona da Mata mineira. Guilherme e outros 11 hackers, dos quais receberia ajuda para a prática criminosa, foram presos preventivamente."Ele conversa com hackers do Brasil inteiro trocando ferramentas", afirmou Baeta. Nos endereços vasculhados pela polícia, foram apreendidos equipamentos, computadores, monitores de última geração, dois veículos - supostamente adquiridos por meio da fraude - e documentos diversos. As investigações, a princípio, não apontaram o envolvimento de bancários no esquema de fraude virtual. Os suspeitos, segundo a PF, vão responder pelos crimes de fraudes pela internet, acesso indevido a contas bancárias, formação de quadrilha, emissão de notas frias e sonegação tributária. Durante as investigações, os policiais descobriram a prática de outros dois crimes: uso de drogas e corrupção de menores. Um dos envolvidos com a quadrilha seria menor de 18 anos. ALGEMADOSOs presos conduzidos até a sede da PF em Belo Horizonte chegaram algemados, tentando esconder os rostos. Parentes se mostravam irritados e reticentes e evitavam a imprensa. Um parente de preso discutiu com um fotógrafo que registrava as imagens. À tarde, era grande o movimento de pessoas que foram levar material de higiene, cobertores e roupas para os detidos. O Estado não conseguiu contato com o advogado de Alves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.