Quadrilha de "Léo" pode ser contrabandeado diamantes também

A pedido do Ministério Público Federal de Roraima, a Justiça Federal acatou denúncia contra cinco acusados de contrabando de diamantes, que teriam ligações com o traficante Leonardo Mendonça e seu irmão Helder Dias Mendonça. Os irmãos estão presos em Brasília.Adelcimar Pereira Bastos, Kátia Gonçalves da Silva, Cleonilson Farias Bezerra, Duílio Ribeiro Braga Júnior e Carlos Antônio Furtado Galvão foram presos por agentes federais em 8 de agosto de 2001, em Bonfim (RR), na fronteira com a Guiana. Carregavam 1,5 quilo de diamantes, avaliados em US$ 500 mil, e armas.As pedras foram encontradas com Bastos e Kátia.Cleonilson disse que era segurança de Bastos. Galvão portava uma pistola calibre 380. Braga Júnior foi citado como dono dos diamantes. Seria empresário, com escritórios em Cuiabá, na Bélgica e Guiana.O Ministério Público, naquela época, requereu as folhas de antecedentes criminais dos envolvidos e encaminhou cópias para a Delegacia da Receita Federal de Roraima para as providências com relação aos tributos.O juiz Helder Girão Barreto acatou a denúncia e chamou a atenção para a possível ligação dessas pessoas com Leonardo e Helder Mendonça. Ele disse que Galvão estava acompanhado de Helder momentos antes de ser preso. Também existiram ligações comerciais entre Bastos e Leonardo.Barreto informou o juiz da 5ª Vara Federal de Goiás, José Godinho Filho, sobre o processo e solicitou a remessa dos documentos que possam interessar ao trabalho.Barreto acredita que da ampliação das investigações possam surgir outras atividades criminosas do grupo, como lavagem de dinheiro e associação ao tráfico internacional de drogas.O juiz ainda está buscando os antecedentes criminais dos envolvidos nos Estados de Roraima, Amazonas, Goiás, Pará, Maranhão e Distrito Federal. Os acusados têm audiência marcada para o dia 9 de abril, às 9 horas.Helder Mendonça mantinha uma casa comercial de veterinária em Boa Vista, na época em que foi preso pela Polícia Federal. Leonardo Mendonça morou em Roraima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.