Quadrilha de Uê está desarticulada, diz a polícia do Rio

Com a prisão de mais dois integrantes da quadrilha do traficante Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê, nesta sexta-feira, a polícia acredita ter desarticulado de vez com o bando, um dos principais fornecedores de drogas do Estado do Rio de Janeiro. Evanilda Pinto de Medeiros, irmã de Uê, e o marido, Carlos Roberto Cabral da Silva, o Robertinho do Morro do Adeus, foram presos na Baixada Fluminense, numa ação conjunta entre as polícias Civil e Federal. Eles participavam da contabilidade da quadrilha e também do controle das armas usadas pelos criminosos.O casal foi preso na rodovia Washington Luís, na altura de Xerém, Baixada Fluminense, por volta das 5h30. Eles seguiam de carro para Itaipava, na Região Serrana, onde moravam, e foram interceptados por policiais. À tarde, agentes da DRE fizeram busca na casa em que viviam, a fim de procurar papéis sobre a movimentação financeira da quadrilha.O delegado da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), Luiz Alberto Andrade, disse que será difícil o bando de Uê se reerguer. Segundo ele, todas as pessoas de confiança do traficante estão presas.A ação de hoje fez parte da Operação Camisa Preta, que além da PF e da Polícia Civil, envolveu o Ministério Público. A operação teve início dia 15 de abril, quando foram detidos outra irmã de Uê, Enivalda Pinto de Medeiros, a Nega, e mais um cunhado, Wanderlei Soares, o Orelha. A polícia cumpriu mandados de prisão temporária expedidos pela 26ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio.O delegado Andrade disse que as prisões de hoje representam o encerramento oficial da operação. ?Foi um grande sucesso, não só para a polícia mas também para a sociedade. Todos os alvos foram atingidos?, disse.Uê é apontado como um dos líderes da suposta facção criminosa Terceiro Comando, responsável por metade da droga comercializada no Estado. Segundo a polícia, o bandido lidera da cela no presídio Bangu 1 o comércio de entorpecentes no Complexo do Alemão, conjunto de doze favelas na zona norte da capital. Outro traficante ligado ao Terceiro Comando, Ismael Caetano da Silva, o Tulá, foi transferido hoje para o Rio pela Polícia Federal. Ele estava foragido havia seis dias, desde que fugiu da Delegacia de Homicídios de São Luís (MA), onde cumpria pena por seqüestro. Segundo informações da polícia, Tulá seria também fornecedor de armas e drogas para diversas favelas do Estado. Ele ficará detido no presídio Ary Franco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.