Quadrilha faz arrastão em prédio de luxo de SP

Criminosos só precisaram buzinar para entrar em edifício; eles dominaram guardas e invadiram 8 dos 12 apartamentos; polícia deteve quatro suspeitos

Leandro Calixto, O Estadao de S.Paulo

08 Agosto 2009 | 00h00

Uma quadrilha fez um arrastão em um prédio de luxo na Vila Albertina, região da Freguesia do Ó, na zona norte de São Paulo. Mais de 30 homens - alguns armados com metralhadoras - invadiram o edifício e dominaram vigias e moradores de oito dos 12 apartamentos. Todas as vítimas foram levadas para a garagem e depois amarradas. Na ação, que durou mais de uma hora, os ladrões levaram dinheiro, joias, aparelhos de som, vídeos, computadores, máquinas fotográficas, roupas, documentos, três pistolas e um Ford Fiesta, que foi recuperado no início da madrugada de ontem. Três suspeitos foram presos pela polícia, incluindo um dos supostos líderes da quadrilha - Rodrigo de Almeida, o Alemão, apontado como integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC). O prejuízo de apenas um morador com o arrastão foi de mais de R$ 25 mil. "Fizeram a festa em minha casa", diz uma residente do Edifício Stylus. Cada apartamento está avaliado em mais de R$ 800 mil. Eram 20h30 de quinta-feira quando os bandidos chegaram ao prédio. Dois assaltantes estavam em um Gol Fox de cor preta. Eles deram um toque de buzina para o segurança abrir o portão, que fica a alguns metros da guarita. O vigia disse à polícia que confundiu o veículo dos ladrões com o de um morador e abriu o portão. Assim que o carro entrou no prédio, os dois assaltantes dominaram os vigias. Logo em seguida, eles abriram o portão para a chegada dos demais integrantes da quadrilha. A maioria dos bandidos invadiu o prédio em um Fiat Dobló. Após dominar os seguranças do prédio, dois criminosos ficaram na guarita para abrir o portão para os moradores. Assim que chegavam à garagem, as vítimas eram dominadas. Os moradores eram obrigados a levar os bandidos até os apartamentos. Após fazerem a "limpeza", as vítimas eram levadas para a garagem. Em seguida, eram amarradas com uma fita de plástico. Os bandidos deixaram o prédio em três veículos. Um dos carros roubados era justamente o de um morador do prédio. Durante uma blitz feita pela polícia, na madrugada de ontem, o carro foi encontrado na mesma região onde se realizou o arrastão. Marcos Hugo Pinto estava dirigindo o carro. Ele trocou tiros com a polícia na entrada da Favela Divineia. No meio da perseguição, o ladrão acabou se entregando. CIRCUITO INTERNO Mais de dez vítimas estiveram ontem no 28º Distrito Policial, registrando boletins de ocorrência. Os moradores disseram que seria muito difícil reconhecer os ladrões porque os assaltantes estavam usando máscaras e toucas de ninja. "Mas não tenho dúvidas de que esse bando é especializado em assaltos de prédio de alto padrão. Talvez seja o mesmo grupo que assaltou um outro edifício na zona norte no mês passado", diz o delegado Nicola Romanini. A segurança do Edifício Stylus informou à polícia que os ladrões também levaram as fitas do circuito interno do prédio. Na quarta-feira, o Jornal da Tarde mostrou que o sistema de segurança dos edifícios de alto padrão da capital continua apresentando problemas. A reportagem testou dez prédios e conseguiu driblar a vigilância e entrar na metade deles. A simulação feita pela reportagem foi acompanhada por um especialista em segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.