Quadrilha invade hospital para resgatar bandido em SP

Um grupo de 18 homens entrou armado à 1 hora desta segunda-feira, 18, na Santa Casa da Jaçanã, na zona norte de São Paulo para resgatar o preso Cícero da Silva Félix, de 22 anos. O plano só não deu certo por causa de uma policial militar, avisada sobre os bandidos, que chamou reforço.O tiroteio que se seguiu deixou em pânico pacientes e médicos. Um bandido morreu, seis foram presos e uma policial e um médico, com suspeita de trauma craniano, ficaram feridos. No fim, cerca de 20 médicos do hospital recusaram-se a trabalhar enquanto Félix não fosse transferido, o que só ocorreu na tarde desta segunda. Condenado a 17 anos de prisão por roubos e homicídios, o criminoso foi levado para o Hospital Penitenciário do Carandiru, na zona norte.O bandido havia sido preso no dia 13, após uma tentativa de roubo de um Eco Sport. Baleado pela polícia, Félix foi internado com as pernas paralisadas no pronto-socorro do hospital, também conhecido como São Luiz Gonzaga. Ao lado dele fica a 1ª Companhia do 43º Batalhão da PM.Com a chegada da polícia, os bandidos saíram correndo e apanharam os carros que os aguardavam para escapar. Um deles disparou uma espingarda calibre 12 em direção de um carro da PM, acertando a mão da soldado Renata Camargo Barbosa, de 34 anos.Os policiais cercaram o suspeito, que bateu em uma ambulância com o Honda Fit roubado em que estava. Acabou baleado e morto. Identificado como Clayton Gomes da Silva, ele tinha 24 anos. Perto dali, uma outra equipe da PM deteve Márcio de Souza Tibúrcio, que estava com um Gol. Márcio contou que ia pilotar o carro na fuga, mas que se perdeu dos amigos no hospital.Na esquina das Ruas Ari Rocha Miranda e Roberto Lanari, os PMs pararam um ônibus que ia para o bairro Jova Rural. Mandaram descer todos os 30 passageiros. Na revista, encontraram dois deles armados com pistolas calibre 9 milímetros. Depois de meia hora de apuração, concluíram que cinco dos passageiros participavam do grupo que tentara o resgate. Eles haviam sido deixados para trás pelos colegas na fuga.Ali foram presos Alessandro Aguiar Alves, de 19 anos, Edson Carlos Mendes, de 23, Washington Rogério da Silva, de 29, Francisco Ronaldo Aires de Souza, de 29, e Geginaldo Neves de Lima, de 21 anos. Os acusados negaram a participação no crime, mas foram reconhecidos pelos policiais e pelas testemunhas. "Vamos atrás dos demais bandidos", disse o delegado Renato Felisoni.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.