Quadrilha seqüestra família de diretor de penitenciária

Uma quadrilha fortemente armada seqüestrou, neste sábado à tarde, a família do diretor da Penitenciária de Araraquara (SP), Leandro Pereira.Para libertar as vítimas, os seqüestradores exigiram a soltura de presos.Pereira seguiu a determinação e soltou cinco. O primeiro é Márcio Henrique Evaristo, o "Nenê", de 33 anos, um dos chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC), que lidera ações criminosas dentro e fora do sistema penitenciário do Estado de São Paulo.Outros dois que foram soltos são Edson do Nascimento, de 22 anos, e Luiz Carlos Bento Tavares, de 24, integrantes da quadrilha que, em novembro do ano passado, assaltou a Caixa Econômica Federal de Ribeirão Preto (SP) e, durante a fuga, matou um policial militar.Também ganharam a liberdade Alexandre Francisco Sandorf, de 39 anos, e Jadiel Lourenço da Silva, envolvidos em vários tipos de crime.A quadrilha seqüestrou primeiramente os pais do diretor da penitenciária. Um bandido apareceu na residência deles vestido de carteiro e, após dominá-los, facilitou o acesso para os comparsas, que estavam armados. Depois, eles seqüestraram o restante da família: a mulher, o filho, a irmã, a sobrinha e o cunhado de Leandro Pereira.Todos foram levados para São Carlos. Naquela cidade, as vítimas ficaram reféns em uma casa que os bandidos invadiram para servir de cativeiro, na Vila Primavera, onde vivem um idoso doente e uma mulher que cuida dele. A família do diretor da penitenciária foi amarrada com fitas plásticas parecidas com as usadas para embalar as encomendas dos Correios.Ao tomar conhecimento do caso, Pereira foi a São Carlos para iniciar as negociações com os seqüestradores e, atendendo às exigências, voltou a Araraquara, soltou os cinco presos e os levou em um veículo da própria penitenciária até a Rodovia Washington Luís (SP-310).A execução do plano, acompanhada pela quadrilha através de telefones celulares, transcorreu durante a noite de sábado e a madrugada deste domingo. Quando a Polícia foi acionada e cercou o cativeiro em São Carlos, o bando já tinha fugido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.