Quadrilha usa helicóptero para resgatar presos

Dois presos foram resgatados na tarde desta quinta-feira do Presídio José Parada Neto, em Guarulhos, com a ajuda de um helicóptero seqüestrado momentos antes. Após saírem voando do presídio, os dois presos e os dois homens que seqüestraram o aparelho desembarcaram num pequeno campo de futebol de terra batida, no bairro de Santa Teresa, em Embu. A história da fuga começou pouco antes das 13 horas, no hangar da Táxi Aéreo Paradela, no Campo de Marte, quando dois jovens bem vestidos contrataram o helicóptero Esquilo de prefixo PT-HNU para fazer, segundo eles, um vôo panorâmico pela cidade. Logo após a decolagem, um deles perguntou ao comandante Dato de Oliveira se ele sabia onde ficava o Shopping Internacional de Guarulhos. Diante da resposta afirmativa, mandou seguir para lá. Cerca de 5 minutos depois, quando sobrevoavam o shopping, os dois jovens sacaram as armas e anunciaram o seqüestro. Depois mandaram o comandante rumar para o presídio, onde ele foi obrigado a pousar entre dois pavilhões. Dois presos embarcaram no helicóptero e eles novamente decolaram. O comandante não sabe precisar o tempo, mas calcula que durante 20 minutos ele foi obrigado a voarseguindo as ordens dos seqüestradores, até que determinaram que pousasse no campo de futebol. Os quatro desembarcaram e disseram para o comandante ficar no helicóptero desligado. Os quatro então subiram o barranco que dá acesso à rua e fugiram em três veículos que os aguardavam. Um dos veículos é uma Sprinter branca, placas CXU-5692. O comandante pegou um táxi, foi até o hangar da empresa e depois retornou ao local onde o helicópeto foi deixado para explicar à polícia o que aconteceu.EscadinhaNão é a primeira vez que uma fuga deste tipo acontece no Brasil. José Carlos dos Reis Encina, o Escadinha, foi resgatado do Presídio da Ilha Grande, no litoral fluminense, no dia 31 de dezembro de 1985, numa operação comandada por José Carlos Gregório, o Gordo, uma das principais liderança do Comando Vermelho, morto recentemente. Há cinco anos, em um livro autobiográfico, o próprio Gordo resumiu a audaciosa operação. ?O resgate de Escadinha foi resultado de um excelente planejamento. Seqüestrei um helicóptero e o tirei da Ilha Grande. A operação foi um sucesso?´.Nas investigações realizadas na época surgiram especulações de que a fuga havia sido planejada e financiada por ?inimigos políticos? do então governador Leonel Brizola. Quatro dias antes de ser resgatado, Escadinha, um dos criminosos mais procurados pela polícia, havia sido transferido para uma casa em uma região afastada da ilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.