Quadro do cantor Herbert Vianna permanece estável

Os médicos que atendem o cantor Herbert Vianna iniciaram ontem a gradativa redução dos sedativos que o líder dos Paralamas do Sucesso vem recebendo desde que foi internado há uma semana, no Hospital Copa D, em Copacabana, na zona sul. A equipe médica começou a ministrar entre a metade e dois terços das drogas. O diretor médico do hospital, Alfredo Cardoso, acredita que os sedativos serão totalmente eliminado a partir da manhã de hoje. "Em 24 horas, o corpo não terá mais nenhum resíduo da droga. Só a partir de então teremos condições de avaliar as reações do cantor e saber se ele está respondendo a estímulos". Segundo o médico, "estatisticamente", Herbert Vianna ainda corre menor risco de vida." Nada impede que seu quadro clínico se agrave diante de um fato novo", afirmou Cardoso. A equipe médica espera também que nas próximas horas o cantor apresente alguma reação a estímulos.A redução dos sedativos foi iniciada momentos depois que o cantor foi submetido a tomografia computadorizada de crânio e tórax. O exame mostrou que houve melhora das lesões pulmonares. "Isso significa que não será realizada nova broncoscopia", informou o médico, refererindo -se ao procedimento para retirada de coágulos dos pulmões. O médico disse que ainda é cedo para saber se poderá ser desligado o aparelho respiratório ligado ao cantor. A tomografia revelou ainda que as lesões cerebrais permanecem inalteradas. No domingo passado, o cantor Herbert Vianna sofreu um acidente de ultraleve, na Praia de São Brás, em Magaratiba, no litoral sul. No acidente, morreu a mulher do artista, a jornalista inglesa Lucy Needhan Vianna. Ele continua internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Copa D.Ontem, o pai do cantor, Hermano Vianna, foi visto no saguão do hospital, abraçado ao cirurgião-geral Alfredo Guarischi. Apesar do clima otimista, preferiu não conversar com os repórteres. O baixista dos Paralamas do Sucesso, Bi Ribeiro, chegou no hospital na manhã de ontem fazendo o "V" de vitória. O baterista da banda, João Barone, também esteve no hospital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.