Divulgação
Divulgação

Quase 20 mil tiveram de deixar suas casas após chuvas no ES

Três pessoas morreram no Estado; há previsão de chuva forte até domingo

Agência Brasil

20 Dezembro 2013 | 12h56

BRASÍLIA  - Subiu para 19.776 o número de pessoas que precisaram deixar suas casas por causa das fortes chuvas que atingem o Espírito Santo desde o início da semana. De acordo com o último boletim divulgado pela Defesa Civil, 3.225 pessoas estão desabrigadas, 16.551 desalojadas e 3.042 edificações ficaram danificadas. Três pessoas morreram, em Colatina, em Nova Venécia e em Baixo Guandu.

Segundo a Defesa Civil estadual, 40 municípios foram os mais afetados. Até o momento, 22 cidades estão elaborando documentação para decretar situação de emergência ou estado de calamidade pública devido às fortes chuvas: Água Doce do Norte, Rio Bananal, Castelo, Bom Jesus do Norte, Vargem Alta, Cachoeiro de Itapemirim, Ecoporanga, Mimoso do Sul, Laranja da Terra, São Domingos do Norte, Viana, Conceição do Castelo, Águia Branca, Alto Rio Novo, Barra de São Francisco, Nova Venécia, Ibatiba, São Gabriel da Palha, Pancas, Vila Pavão, Linhares e Mantenópolis.

A Secretaria Nacional de Defesa Civil emitiu alertas de inundação e de deslizamento de terra para vários municípios com o objetivo de prevenir desastres.

O sistema de informações meteorológicas do Instituto Capixaba de Pesquisa e Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) informou que, apesar dos períodos de melhoria observados na manhã desta sexta-feira, 20, em grande parte do Estado, a chuva segue intermitente nos próximos dias. Há previsão de chuva forte - superando os 150 mm - entre o fim da tarde desta sexta e o domingo, 22.

Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-ES), há registros de pontos de alagamentos e quedas de barreiras em diversas rodovias. Na Rodovia ES-010, entre os bairros Jacaraípe e Nova Almeida, na cidade de Serra, um trecho de 30 metros da rodovia sofreu erosão e se rompeu. O trecho está interditado e os motoristas são orientados a seguir pela BR-101.

O DER informou que no noroeste do Estado o ponto mais crítico está localizado na ES-341 entre Pancas e o distrito de Ângelo Frechiani, onde a pista foi rompida pela força das águas.  Além disso, toda a região está sofrendo influência das cheias dos rios Doce e Pancas.

Ajuda federal. O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, disse que solicitou a ajuda ao governo federal para auxiliar na recuperação dos municípios e no resgate das pessoas afetadas pelas enxurradas. Um helicóptero da Força Aérea Brasileira está sobrevoando as áreas atingidas desde quinta-feira, 19, para mapear a situação e atuar com a Defesa Civil Estadual para a retirada dos moradores das áreas de risco.

Casagrande também fez contato com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e com o ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, para pedir celeridade no atendimento aos pedidos do Estado para prestar socorro aos municípios mais afetados pelos estragos das chuvas. "Estamos trabalhando com todos os municípios atingidos, fazendo o atendimento humanitário, com água e cesta básica. Já estamos começando a pensar na recuperação da infraestrutura dos municípios: estradas, pontes, ruas, casas que desmoronaram", disse o governador.

A Secretaria Nacional de Defesa Civil autorizou o envio de 2 mil cestas básicas, 2 mil kits de higiene pessoal e limpeza, 4 mil colchões e 12 mil litros de água potável engarrafada.

Mais conteúdo sobre:
Chuva Espírito Santo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.