AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Quatro crianças morrem no Rio com suspeita de hantavirose

Quatro crianças de duas famílias vizinhas morreram no período de 33 dias com os mesmos sintomas em Campos, no Norte Fluminense. A Secretaria Municipal da Saúde suspeita que elas tenham sido vítimas de uma doença transmitida por ratos, a hantavirose. As casas das duas famílias, em um bairro da periferia, ficam ao lado de um curral e de um terreno baldio, onde são despejados lixo e esgoto."Há ratos à luz do dia. Encontramos tocas embaixo da cama de duas das vítimas e fezes de ratos no colchão das crianças. No sábado, uma ratazana foi presa pela vigilância sanitária. Agora, vamos aguardar o resultado dos exames e da necropsia", disse o secretário municipal da Saúde, Rodrigo Quitete. Quatro quarteirões do bairro Parque Santa Rosa estão sob interdição epidemiológica. Parentes e vizinhos foram submetidos a exames de sangue e as vísceras de duas vítimas foram encaminhadas para análise. A ratazana, de 20 centímetros, deverá ser levada nesta segunda-feira para a exames na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).As tocas e as fezes de ratos foram encontradas na cama onde dormiam os irmãos Jéferson de Oliveira da Hora, de 8 anos, e André Luiz Ferreira da Hora, de 4, filhos de Édina Soraya de Oliveira - eles morreram nos dias 18 de junho e 1.º de julho, respectivamente. A primeira vítima foi Carolliny Teixeira, de sete meses, no dia 2 de junho. Na quarta-feira passada, Maria Madalena Teixeira perdeu outro filho, José Vítor Teixeira Pinheiro, de 4 anos. A doença Os sintomas foram os mesmos: febre, insuficiência respiratória, náuseas, tonteiras e vômitos. De acordo com os relatos das famílias, as crianças tiveram parada cardiorrespiratória seguida de morte súbita. Apenas uma chegou a receber atendimento médico.Roedores são os principais vetores da hantavirose, doença mais grave que a leptospirose, também transmitida por ratos. A contaminação pode ocorrer por via respiratória, por meio do pó das fezes, e também pela urina ou por mordidas dos animais.De acordo com o secretário Quitete, a vigilância epidemiológica manterá visitas diárias às casas do bairro para verificar se outras pessoas foram contaminadas. "Separamos os quatro quarteirões, que serão mantidos sob vigilância." Foram instaladas dezenas de ratoeiras e armadilhas para tentar capturar outros animais para análise. Segundo ele, a Secretaria de Limpeza Urbana fez uma operação para retirar entulho e detritos dos terrenos baldios do bairro. Se confirmado, será o primeiro caso de hantavirose na cidade - o resultado deverá sair até o fim da semana, de acordo com o secretário. Os exames serão feitos pelo Laboratório de Virologia da Fiocruz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.