Quatro pessoas da mesma família morrem soterradas em MG

Mais um parente ficou ferido no acidente em Ervália; muro de arrimo também cedeu em Itabira e idosa morreu

Ana Luísa Westphalen e Eduardo Kattah , Agência Estado e O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2008 | 10h54

Cinco pessoas morreram na madrugada desta terça-feira, 16, em decorrência das chuvas intensas que atingem Minas Gerais. Quatro pessoas de uma mesma família, entre elas duas crianças, morreram após o deslizamento de um barranco, no município de Ervália, região da Zona da Mata mineira, a 265 quilômetros de Belo Horizonte. Outra vítima fatal foi registrada na cidade de Itabira, região central do Estado. Uma mulher morreu soterrada após o desmoronamento de um muro de arrimo.   José Silvério Souza, de 60 anos, sua mulher, Maria da Consolação Souza, de 47, e os filhos Josimar, de 6, e Lindomar, de 4, dormiam quando uma encosta cedeu, atingiu e soterrou a casa em que estavam. José Martins da Silva, de 84 anos - tio de José Silvério -, que dormia em outro cômodo da casa, também foi atingido pelo deslizamento. Ele foi socorrido por populares antes da chegada dos bombeiros e encaminhado para o Hospital Municipal com escoriações pelo corpo e fraturas nas costelas. Os corpos das vítimas fatais foram encaminhados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Ubá.   A casa está situada numa área de risco. A Defesa Civil municipal informou que a estrutura da imóvel ficou comprometida e que outras famílias próximas seriam removidas. Conforme moradores, nos últimos três dias a região da Zona da Mata foi castigada por chuvas intensas.   De acordo com a 3ª Companhia dos Bombeiros de Ubá, que atendeu o caso, chove há três dias na região e já ocorreram outros deslizamentos, sem deixar vítimas fatais. Barracos próximos do local onde a família foi soterrada, na encosta de um morro, estão sendo isolados por causa dos riscos e os moradores levados para abrigos.   A prefeitura de Ervália informou que iria decretar situação de emergência. Cerca de 40 famílias estavam desalojadas e um dos acessos da cidade, a BR-356, ficou interrompido devido ao transbordamento de um ribeirão durante a madrugada.   Em Itabira, conforme a Defesa Civil municipal, também por volta de 0h30, a forte chuva provocou o desmoronamento de um muro de arrimo, que causou o desabamento de parte de uma residência. Os destroços atingiram dois cômodos da casa e Ana Jorge Rodrigues, de 66 anos, ficou soterrada. Ela foi resgatada horas depois, mas já sem vida. Outras três pessoas que estavam na residência não sofreram ferimentos e foram encaminhadas para casas de parentes e amigos.   Balanço   Com as duas novas ocorrências, subiu para nove o número de mortes em decorrência das chuvas que atingem Minas desde setembro, conforme balanço da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Na contabilidade da Cedec não estão incluídos os dois corpos encontrados na segunda-feira, 15, no Córrego do Onça, na região norte de Belo Horizonte, e outro óbito registrado na cidade de Contagem. Durante o período chuvoso, a Cedec contabiliza também 278 feridos, 1.982 desabrigados e 8.910 desalojados no Estado. Mais de 102 mil pessoas já foram afetadas.   A Defesa Civil estadual e o Instituto de Climatologia do MGTempo/Cemig/PUC-Minas alertaram para a ocorrência de chuvas em todas as regiões do Estado. Na Zona da Mata, região central - incluindo a área metropolitana de Belo Horizonte -, no leste e noroeste de Minas, o volume de chuva previsto acumulado a cada 24 horas pode superar os 80 milímetros. A média do mês varia de 250 a 400 milímetros.   Somente para a capital mineira era esperado nesta terça um acumulado de 62,8 milímetros de chuva. A Cedec recomendou atenção redobrada nas áreas de encostas e morros.   Atualizado às 19 horas para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
chuvas em MGvítimas das chuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.