Divulgação
Divulgação

Quatro PMs são condenados por assassinato do garoto Juan em 2011

Policiais receberam penas que variaram de 32 a 66 anos de prisão; morte ocorreu durante operação de repressão ao tráfico na Favela Danon, em Nova Iguaçu, região metropolitana do Rio

Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

13 Setembro 2013 | 09h58

RIO - O Tribunal do Júri de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, condenou na madrugada desta sexta-feira, 13, quatro policiais militares acusados de envolvimento no assassinato do menino Juan Moraes Neves, então com 11 anos, durante uma operação da polícia na Favela Danon, em 2011. O julgamento dos PMs teve início na segunda-feira, 9.

Na ação policial, também foi morto Igor Souza Affonso, suspeito de envolvimento com o tráfico. Outros dois jovens foram baleados, mas sobreviveram: Wesley Felipe Moares da Silva, irmão de Juan, e Wanderson dos Santos de Assis.

Três réus foram condenados apenas pela morte de Juan: o sargento Isaías Souza do Carmo e o cabo Rubens da Silva pegaram 36 anos de prisão, e o sargento Ubirani Soares recebeu pena de 32 anos. A maior pena, de 66 anos de cadeia, foi aplicada ao cabo Edilberto Barros do Nascimento. Ele foi o único condenado pelas mortes de Juan e Igor. Os quatro PMs já estavam presos preventivamente desde julho de 2011 no Batalhão Especial Prisional (BEP), na zona norte do Rio.

O Ministério Público disse que vai recorrer da absolvição de três réus pela morte de Igor. A defesa dos réus também não concordou com o veredicto e informou que vai interpor recurso contra as condenações.

O caso. O caso Juan teve grande repercussão na época. Após a operação policial de repressão ao tráfico na Favela Danon, na noite de 20 de junho, Juan desapareceu. Parentes do menino e moradores da comunidade realizaram protestos, cobrando informações sobre o paradeiro dele. O corpo da criança só foi encontrado dez dias depois, às margens do Rio Botas, em Belford Roxo, município vizinho a Nova Iguaçu.

A investigação do caso foi ainda mais tumultuada após uma perita criminal dizer que o corpo seria de uma menina. A informação foi desmentida por um exame de DNA. Para isso, o corpo precisou ser exumado.

Mais conteúdo sobre:
juanjulgamentorio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.