Quércia critica o Estado na crise da segurança

Em visita a Araçatuba, o candidato ao governo do Estado de São Paulo pelo PMDB, Orestes Quércia, fez duras críticas ao atual governo paulista. Ele disse que o governo dividiu responsabilidades com o crime organizado, "uma forma não muito competente de agir". Ele explicou que houve uma inversão de autoridade, o crime organizado ocupando o lugar do governo, que acabou propiciando essa onda de ataques em todo o estado. Quércia falou também sobre a verba de R$ 100 milhões liberada pelo governo federal para segurança. Na visão do candidato, essa ação não passa de marketing político a favor do Lula. Ainda sobre segurança, Quércia foi firme ao dizer que o Estado negociou com o Primeiro Comando da Capital (PCC), se referindo aos ataques ocorridos durante o mês de maio que só foram cessados após um encontro entre Marcola e o ex-secretário da Administração Penitenciaria Nagashi Furukawa. "Não tenho dúvidas que houve essa negociação, está mais do que claro", declarou. AliançasQuércia falou ainda sobre futuras alianças que o PMDB possa vir a fazer. Por enquanto, ele não apóia nenhum candidato à presidência. Para ele, "assim fica mais fácil cobrar do presidente eleito melhorias para o estado". O PMDB está dividido, já que o partido não lançou candidato à presidência. "Faltou empenho de algumas lideranças do Congresso em lançar um candidato próprio, mas eu farei o PMDB crescer novamente", diz. Quércia está muito confiante em chegar ao segundo turno com o candidato tucano José Serra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.