Quércia desiste e deve apoiar Aloysio Nunes para Senado

Candidato deve anunciar hoje a saída da disputa. Tucano, seu colega de chapa, herda também seu tempo na TV

, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2010 | 00h00

O ex-governador Orestes Quércia (PMDB) deve anunciar hoje a desistência da candidatura ao Senado por São Paulo. A decisão foi tomada depois de o peemedebista constatar a volta de um câncer na próstata, que havia sido tratado há mais de uma década. A renúncia será discutida hoje em reunião no Hospital Sírio-Libanês, onde Quércia está internado.

Com a retirada do nome de Quércia, a chapa Unidos por São Paulo (PSDB/PMDB/DEM/PPS/PSC/PHS/PMN) fica com apenas um candidato a senador, o tucano Aloysio Nunes Ferreira, ex-secretário chefe da Casa Civil do governo José Serra.

Aloysio deve herdar o tempo de Quércia na TV. Mas pode ter de substituir seu suplente, Sidney Beraldo (PSDB), por Airton Sandoval (PMDB).

A saída do ex-governador da corrida pelo Senado vem num momento em que a disputa está mais acirrada. Pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo sobre as intenções de voto em São Paulo, realizada entre os dias 31 de agosto e 2 de setembro, mostra Netinho de Paula (PC do B) empatado tecnicamente com Quércia, com respectivamente 26% e 23% das intenções de voto.

De acordo com a pesquisa, Marta Suplicy (PT) segue na liderança com 36% . O senador Romeu Tuma (PTB) tem 13% e Aloysio, 12% - Tuma também está internado no Sírio-Libanês desde 1.º de setembro, para tratamento de uma afonia. Ele aproveitou a internação para antecipar a realização de uma bateria de exames que estava pré-agendada.

Quércia deu entrada no Sírio-Libanês na última terça-feira. A equipe médica que o acompanha, coordenada pelos professores Raul Cutait, João Toniolo, Fernando Maluf e Álvaro Sarkis, diagnosticou "a recidiva de um tumor de próstata".

Boletim divulgado pelo hospital no mesmo dia da internação de Quércia informava que o tratamento já havia sido iniciado. "O paciente está clinicamente bem, disposto, alimenta-se normalmente e deverá receber alta hospitalar nos próximos dias."

Ontem, ele recebeu as visitas dos ex-governadores Geraldo Alckmin e José Serra, respectivamente candidatos ao governo do Estado e à Presidência.

Depois de uma conversa com familiares, Quércia ligou para seus auxiliares mais próximos e antigos companheiros de PMDB. Convidou-os para a reunião. Com dificuldades para caminhar, ele avalia que deve mesmo renunciar.

Um interlocutor do ex-governador disse que a desistência de Quércia "é uma tendência".

Deverão participar do encontro o vice presidente estadual do partido, Jorge Caruso, o prefeito de Araraquara, Marcelo Barbieri, e o candidato Aloysio Nunes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.