Quércia faz tratamento contra câncer de próstata

Candidato ao Senado, o ex-governador Orestes Quércia (PMDB) retomou o tratamento contra o câncer. O diagnóstico foi confirmado ontem em boletim médico divulgado às 17h50 pelo Hospital Sírio-Libanês. Os médicos constataram a recidiva (reaparecimento) de um tumor na próstata, que havia sido tratado há mais de uma década.

, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2010 | 00h00

"O paciente está clinicamente bem, disposto, alimenta-se normalmente e deverá receber alta hospitalar nos próximos dias", diz o boletim. O tratamento é acompanhado pelos médicos Raul Cutait, João Toniolo, Fernando Maluf e Álvaro Sarkis.

Quércia é presidente estadual do PMDB e fiador da aliança do partido com o PSDB no Estado. Na pesquisa Ibope feita entre os dias 24 e 26 de agosto, o peemedebista aparece em terceiro lugar, com 21% das intenções de voto.

Em carta dirigida a eleitores, militantes e correligionários, publicada ontem em seu site oficial, Quércia fala abertamente sobre o problema e diz que quer coibir boatos. "Muito em breve estarei recuperado. A campanha continua firme e conto com o apoio de todos nesta reta final."

O candidato relata que sentiu mal-estar devido ao ritmo desgastante da campanha e resolveu antecipar exames de rotina que faz desde o primeiro diagnóstico do tumor.

"Imagino que muitos já tiveram em suas famílias alguém que teve esse tipo de problema, que é muito comum em homens que passaram dos cinquenta anos", diz Quércia na carta.

O peemedebista admite ainda que inicialmente suspeitara de problemas na coluna, por conta de cirurgia à qual foi submetido em janeiro deste ano. Em seguida, Quércia diz que o tratamento contra o câncer já foi retomado e que se sente "bastante animado". Ele pede a eleitores que esclareçam as razões da internação para não alimentar boatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.