Quercistas contestam atos de comissão provisória

Segundo líder do grupo, interventores tomam metade dos diretórios em SP e se dão direito de ser candidatos locais

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2011 | 00h00

SOROCABA

Peemedebistas históricos do Estado querem anular os atos da comissão provisória paulista que levaram à dissolução, só este ano, de mais de uma centena de diretórios municipais do interior e da Grande São Paulo. Na segunda-feira, eles encaminharam ofício ao presidente nacional do PMDB, Valdir Raupp, denunciando o "caos partidário" e o clima de "instabilidade política no PMDB" gerados pela ação da executiva estadual, presidida pelo deputado Baleia Rossi. O documento pede o cumprimento do estatuto para evitar uma medida judicial que "poderá ampliar ainda mais o caos e inviabilizar a participação do partido nas eleições municipais do Estado de São Paulo".

De acordo com o porta-voz do grupo, Milton Luis Henrique de Araújo, do PMDB de São José do Rio Preto, entre os atingidos pelas intervenções estão ex-prefeitos e peemedebistas de longa data, muitos ligados ao ex-governador Orestes Quércia, que morreu em dezembro do ano passado. Para Araújo, em vez de dissolver os diretórios, a comissão deveria ter convocado eleições regionais, como prevê o estatuto.

"O que de fato está acontecendo é que a provisória paulista, sem respaldo do estatuto do PMDB, está intervindo em quase metade dos diretórios eleitos legitimamente pela militância e dando a esses interventores o direito de serem os candidatos locais, conforme suas conveniências", afirmou Araújo. Segundo ele, os próprios membros da comissão abrem o processo, julgam e indicam o interventor.

Em análise. A assessoria do PMDB nacional confirmou o recebimento do ofício de Araújo e informou que o conteúdo ainda será analisado. Também informou que as mudanças ocorridas nos diretórios municipais estão sendo acompanhadas. O presidente da executiva estadual, Baleia Rossi, disse que as trocas que ocorrem nos diretórios municipais em São Paulo são legítimas e têm o aval do departamento jurídico do PMDB.

"É uma questão pacífica. As mudanças serão ratificadas em ata pelo diretório nacional. O pessoal está incomodado porque o partido está em cima, cobrando, pois queremos um PMDB forte em São Paulo", argumentou.

Influência

A morte do ex-governador Orestes Quércia, em dezembro, abriu espaço para o vice-presidente Michel Temer ter mais poder de influência sobre os diretórios do Estado de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.