Quintal e Lins querem Forças Armadas no combate à violência

O novo secretário de Segurança Pública do Estado do Rio, Josias Quintal, e o chefe da Polícia Civil, Álvaro Lins, defenderam nesta quinta-feira a participação das Forças Armadas no combate à violência. Quintal também disse que vai pedir a transferência do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, para um presídio federal. Lins admitiu a incapacidade do aparato policial do Estado de reprimir com sucesso a criminalidade.?É preciso ter humildade e reconhecer que sozinhos não daremos conta deles, que estão cada vez mais bem armados?, confessou. Como Quintal, ele volta ao cargo que ocupava no governo Anthony Garotinho ? marido da atual governadora, Rosinha Garotinho. De acordo com Quintal, as Forças Armadas ocupariam ostensivamente locais estratégicos ? os chamados ?pontos fortes? ?, onde há grande concentração de ocorrências.A atuação, segundo a sugestão do secretário, seria semelhante à adotada nos dias 6 e 27 de outubro, durante as eleições. Nessas duas ocasiões não houve incidentes. Nesta sexta-feira, ele se reúne com Rosinha para tratar do assunto, que depende de concordância do Ministério da Defesa.Quintal acha que vai deixar o governo de Luiz Inácio Lula da Silva em situação complicada. Ele solicitou a transferência de Fernandinho Beira-Mar ? atualmente preso em Bangu 1 ? para um presídio federal, fora do Estado. No governo Benedita da Silva, o PT fez insistentes apelos nesse sentido junto ao Ministério da Justiça, que recusou a proposta.O então presidente do partido e atual ministro da Casa Civil, José Dirceu, chegou a intervir em favor de Benedita, sem êxito. ?Eles (do governo petista) fizeram questão de que ele viesse para o Rio e depois se arrependeram e mudaram de posição. Agora que o PT o leve de volta. Como são governo federal, a ?batata quente? é deles?, disse Quintal.As principais preocupações no momento, disse, são os roubos e furtos de carros e os homicídios, que cresceram no ano passado. Ele também prometeu combater ativamente os "bondes", comboios de criminosos armados.Grupos de elite das polícias, a Coordenadoria de Operações e Recursos Especias (Core, da Civil) e o Grupamento Especial Tático Móvel (Getam) da PM, passarão a policiar e a fazer blitze nas linhas Vermelha e Amarela, vias expressas de acesso à cidade, que têm sofrido constantes ataques de criminosos nos últimos meses, apesar de contar com um batalhão especial da PM para seu patrulhamento.?Serão 280 homens trabalhando dia e noite?, informou Lins. O chefe da Polícia Civil prometeu também concentrar o serviço de inteligência das delegacias especializadas num só local. ?O serviço de rotina não será afetado, mas o de inteligência irá para o prédio da Central do Brasil.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.