Quintal faz vistoria surpresa e transfere 500 PMs

Após vistorias surpresa a um presídio, um quartel e três delegacias de polícia, o secretário da Segurança Pública do Rio de Janeiro, coronel Josias Quintal, determinou o afastamento de 500 policiais do 14.º Batalhão da PM, em Bangu, na zona oeste do Rio, uma das áreas mais violentas da cidade. Os PMs - quase a metade do efetivo do batalhão de 1.100 homens - serão remanejados para unidades do interior e da região serrana do Estado porque, segundo o secretário, não estão apresentando resultados satisfatórios."Os policias ficam acostumados com a área onde trabalham e não prendem ninguém", disse Quintal. Entre os afastados, há casos de policiais que respondem a processos administrativos e criminais. O comandante do 14.º BPM, coronel Carlos Augusto Carrijo, também foi afastado. Assume o comando do batalhão o tenente-coronel Roberto Penteado. "Gosto muito de fiscalizar policiais sem avisar. Vou continuar com as inspeções, sempre que for necessário, porque o que vi eu não gostei", disse o secretário após a vistoria. Durante o dia, ele encontrou uma máquina caça-níqueis em uma cela da 33.ª Delegacia de Polícia, em Realengo, e verificou que não havia o número necessário de policiais de plantão na 55.ª DP na Delegacia de Roubos e Furtos e no Ponto Zero, presídio para policiais e pessoas com curso superior. "Encontrei problemas em todos os lugares que fui", admitiu Quintal. O trabalho de vistoria foi acompanhado pelas corregedorias de polícia. Os policiais que não estavam nos cartórios e plantões inspecionados serão punidos.NarcotráficoNo terceiro dia de ocupação da Favela da Grota, no Complexo do Alemão, zona norte, onde foram gravadas imagens de uma espécie de feira livre de drogas, a polícia identificou dois traficantes que aparecem na reportagem mostrada pela Rede Globo. No entanto, os policiais não prenderam ninguém nem localizaram drogas ou armas. A reportagem mostrou imagens de jovens oferecendo haxixe, maconha e cocaína, à luz do dia, com gritos do tipo: "maconha de 2 (reais)", "promoção do pó de 5", "vem cheirar o pó bom da Grota". Nas cenas havia meninos fumando maconha no meio da rua, bandidos com fuzis e pistolas circulando calmamente entre moradores e filas para comprar droga. "Isso aqui é lazer para mim. Se eu tivesse na patrulha seria confronto toda hora, aqui a gente só marca presença", disse um policial que ocupa o morro.Painel - Pela manhã, moradores da Favela dos Bancários, na Ilha do Governador, zona norte, protestaram contra a ação da polícia no local. Eles pintaram um painel num muro da favela para demonstrar que a polícia invade barracos sem permissão e agride moradores. O comandante do batalhão da Ilha, coronel Mário Santos, disse que "provavelmente" vai mandar apagar o painel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.