Quinze são presos em operação contra agiotagem no Rio

Quadrilha obtinha um lucro mensal estimado entre R$ 700 mil a R$ 1 milhão

Solange Spigliatti e Priscila Trindade, Central de Notícias,

27 Outubro 2011 | 10h30

SÃO PAULO - Quinze pessoas foram presas nesta quinta-feira, 27, durante uma operação para reprimir agiotagem em vários pontos do Estado do Rio de Janeiro. No total, 12 mandados de prisão foram cumpridos e três pessoas foram presas em flagrante.

A operação, denominada Shylock, foi desencadeada após oito meses de investigações nos bairros da Barra da Tijuca, Campo Grande, na cidade do Rio, e nos municípios de Niterói e São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, além de Nova Iguaçu, Belford Roxo, Queimados, Duque de Caxias e São João de Meriti, na a Baixada Fluminense.

Durante as buscas, os agentes descobriram que a quadrilha mantinha escritórios em toda a Região dos Lagos, Volta Redonda, Itaperuna e Juiz de Fora, em Minas Gerais, totalizando cerca de 50 unidades espalhadas dentro e fora do Estado do Rio.

O grupo agia há pelo menos cinco anos e cobrava juros de 48% ao mês em cima do valor do empréstimo. As investigações começaram a partir de denúncias e registros de ocorrências. O lucro mensal de todos os escritórios de agiotagem somados é estimado entre R$ 700 mil a R$ 1 milhão.

Os criminosos abordavam as vítimas na rua, por meio de panfletagem, oferecendo dinheiro rápido. Ao chegar ao escritório, a pessoa fornece dados pessoais e bancários, que passam por uma análise, e, o empréstimo era autorizado. Ao não pagar a dívida, a pessoa era ameaçada. Os bandidos chegavam a entrar na casa dos "devedores" para pegar objetos de valor.

 

Durante a ação, foram apreendidos documentos, quatro carros, R$ 13.500, joias e cofres. A Polícia Civil informou que o grupo foi totalmente desarticulado na operação. Os presos responderão por formação de quadrilha, crime contra a economia popular, extorsão, lavagem de dinheiro e falsa identidade.

Participaram da ação 118 policiais civis, de 31 delegacias, além de seis agentes da Corregedoria Geral Unificada (CGU).

 

* Texto atualizado às 16h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.