Radares móveis em São Paulo devem voltar em agosto

Cerca de 40 radares móveis, que flagram os motoristas acima da velocidade permitida, voltam a operar na cidade de São Paulo a partir do próximo mês. Os aparelhos, que estão desligados há três semanas, irão percorrer cerca de 300 pontos da capital. A Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo voltou atrás e deve assinar nos próximos dias novo contrato de emergência, válido por seis meses, com empresas que operam radares. No contrato, a forma de pagamento será mudada. Antes, o município pagava à empresa por multa aplicada. No ano passado, a Prefeitura de São Paulo arrecadou 90 milhões de reais em multas só com os radares móveis.DesativaçãoA desativação dos radares aconteceu em 26 de junho, quando foi encerrado e não renovado o contrato da Prefeitura de São Paulo com o consórcio Monitor, que era responsável pela operação dos equipamentos. As 100 lombadas eletrônicas e os outros 40 radares fixos da capital não foram afetados pela medida. A desativação ocorreu porque a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) optou por esperar o resultado de uma licitação para esses aparelhos, suspensa desde abril pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) por suspeita de irregularidades. O contrato emergencial poderá ser rescindido caso a prefeitura possa dar continuidade ao processo de licitação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.