Radialista diz que foi discriminado em banco

O radialista Jean Claude de Carvalho denunciou, nesta terça-feira, à Comissão de Proteção à Cidadania, da Ordem dos Advogados do Brasil, em Curitiba, ter sido vítima de discriminação racial em uma agência do Banco Itaú. Segundo Carvalho, que é negro, uma segurança lhe teria lhe dito: "Pessoas com seu biótipo, quando ficam muito tempo dentro do banco, geralmente são suspeitas."Ele também registrou a ocorrência na Polícia Civil e pede reparação pública pelo dano moral e constrangimento ilegal. O banco nega a discriminação e diz ter havido má interpretação por parte do radialista. De acordo com o radialista, ele foi com uma amiga à agência, quando dois seguranças pediram para revistar sua bolsa. Vestido com um sobretudo, ele se sentou para aguardar a amiga e notou que uma segurança o vigiava de perto.Ela teria vindo uma primeira vez e perguntado o que ele fazia no banco. Depois retornou para saber quem era a pessoa que ele aguardava. Foi aí que ela teria dito a frase considerada discriminatória.Antes de sair do banco, depois de reclamar com o gerente, ele ainda teria sido ameaçado pela segurança. "Disse que não era para me aproximar mais, senão iria atirar." O banco negou a discriminação e lamentou que pudesse ter havido "má interpretação" por parte do cliente.Por meio de nota, o Itaú garantiu que os seguranças são treinados para tratar todas as situações da forma mais amigável possível, com o intuito de dar tranqüilidade para as pessoas abordadas e aos demais clientes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.