Radialista é indiciado por corrupção de menores

O radialista João Roberto Gasparini foi indiciado pela polícia de Serra Negra por crimes de corrupção de menores, atentado violento ao pudor e por infringir artigo do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O inquérito policial será encaminhado ao Fórum no início da próxima semana, quando o Ministério Público vai avaliar se acata ou não a denúncia da polícia, que vai pedir a prisão preventiva do radialista. Gasparini foi preso no dia 9 de abril, após a polícia de Serra Negra ter recebido, anonimamente, 70 fofografias de conteúdo pornográfico onde o radialista aparece com adolescentes. Ele foi preso em seu apartamento, onde foram encontradas dezenas de outras fotos com o mesmo conteúdo.A defesa, no entanto, entrou com pedido de habeas-corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo, ontem, para que Gasparini responda o processo em liberdade. Até o final da tarde, não havia nenhuma resposta.FotografiasForam identificados em fotografias, em relações sexuais com Gasparini, onze adolescentes, mas apenas cinco decidiram denunciá-lo à polícia. Mesmo assim, o radialista foi indiciado onze vezes por infringir o ECA: cinco vezes por corrupção e menores (com idade entre 14 e 18 anos) e uma vez por atentado violento ao pudor (menor de 14 anos). Ele permanece detido em uma cela especial da Cadeia de Serra Negra.Entre testemunhas e vítimas, a polícia da cidade ouviu 21 pessoas. Os adolescentes afirmaram que recebiam entre R$ 30 e R$ 70 por programa com Gasparini. Eles sabiam das fotografias, mas desconheciam o destino. Vários contaram que o acusado dizia guardá-las em um cofre. O radialista negou ter pago os meninos, mas confessou que as imagens iam para um site da internet acessado por um grupo de 60 pessoas, entre brasileiros e estrangeiros.Gasparini contou à polícia que não sabe quem são as pessoas, porque elas usavam apelidos. Mas afirmou que todas precisavam de senha para entrar no site.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.