Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Rádios comunitárias protestam através de rádio pirata

Integrantes do Movimento Centro de Mídia Independente realizaram neste sábado um ato de desobediência civil, transmitindo uma rádio pirata direto da Avenida Paulista. A idéia era protestar contra o governo federal, que tem fechado, sistematicamente, rádios comunitárias e piratas do País.O aparato para a transmissão foi montado na Casa das Rosas, local que pertence à Secretaria Estadual da Cultura, onde estava sendo realizado o evento sobre comunicações ?Mídia Tática Brasil?.Os alto-falantes foram colocados na varanda da casa, mas poucos que passavam pela Avenida Paulista sabiam que se tratava de um protesto. ?A Polícia Federal vai às rádios, usa força e quebra equipamentos. Queremos desafiá-la a fazer o mesmo em plena Avenida Paulista?, diz o integrante do Centro de Mídia Independente, Pablo Ortellado.Segundo ele, há milhares de rádios comunitárias no País que ajudam e divulgam especificidades das comunidades onde estão inseridas. ?Muitas delas são fechadas mesmo quando estão no processo burocrático de pedido de legalização.?De acordo com ele, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), o Ministério das Telecomunicações e a Polícia Federal foram informados do protesto. A rádio pirata, chamada Pega Eu, foi transmitida pela freqüência 94.5 FM. ?Sei de rádios piratas que atrapalham a comunicação do aeroporto?, disse o bacharel em Direito Adriano Moretti, de 28 anos, que passava pela Paulista e disse discordar dos manifestantes.De acordo com Ortellado, o protesto se dirigia também ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cujo partido - segundo Ortellado -, sempre defendeu a liberdade dos meios de comunicação e agora mantém a mesma política de fechamento das rádios do governo Fernando Henrique.

Agencia Estado,

15 de março de 2003 | 16h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.