Rainhas do Rio correm atrás do samba e de truques de beleza

Carioca com samba baiano no pé, Preta Gil capricha para acertar o passo como rainha da bateria da Mangueira. Não tão famosa quanto a filha do ministro da Cultura, a dançarina de axé Gracyanne Jacobina Barbosa, capa da Playboy deste mês, também corre atrás do samba para não fazer feio como rainha do Salgueiro. "É muita diferença o samba carioca do baiano. O desafio de Preta é sambar como carioca", disse Fabiana Oliveira, professora há dez anos e duas vezes rainha da Mangueira. Ela já deu três aulas a Preta Gil e vai viajar com ela para Salvador, durante cinco dias, para "não perder tempo". A rainha do Salgueiro, dançarina do grupo Tchakabum, admite que está ensaiando bastante para sua estréia na avenida, incluindo aulas particulares três vezes por semana. "O samba do axé é muito diferente do samba de Carnaval, quando a gente tem que mexer muito os braços, se comunicar com a platéia, com o júri. O glamour é diferente", disse Gracyanne, natural de Campo Grande (MS), há nove anos morando no Rio. Os sacrifícios para ter uma performance perfeita extrapolam os ensaios e aulas particulares. Além da beleza da fantasia, rainhas e destaques não abrem mão de truques para fazer uma aparição irretocável. Truques para disfarçar Entre os truques para disfarçar gordurinhas e outros excessos, Gracyanne garante que não usará nem meia-calça, nem óleo para desfilar. Mas malha duas horas por dia, faz massagem para prevenir celulite e incluiu mais carboidratos em sua dieta, já que sambar gasta muita energia e ela não quer emagrecer mais. A professora Fabiana contou que muitas mulheres usam laquê de cabelo no corpo para deixar a pele mais durinha, ou óleo para esconder estrias e outras imperfeições, embora ela não acredite no resultado. "Eu não vejo diferença, já tentei fazer, mas se tiver que aparecer celulite, vai aparecer. Não tem disfarce, só (o cirurgião) Ivo Pitanguy mesmo", disse. Sobre sua aluna, ela afirma que Preta Gil tem corpo para desfilar de biquíni de passista, "como uma mulata qualquer". "No caso da barriga, ou tem ou não tem. E Preta não tem. Podem falar o que for, mas ela é lisinha. Fiquei boba, não tem barriga nenhuma mesmo", disse. A pintura corporal é outro artifício que funciona tanto para quem quer mostrar as curvas, ou escondê-las. A modelo Ângela Bismarchi, viúva de um cirurgião plástico e casada com outro, é madrinha da bateria da Porto da Pedra e sairá toda pintada, apenas com um adereço na cabeça. "O que chama atenção no Carnaval é a nudez, e a pintura se aproxima disso, as pessoas se perguntam ´está pelada ou está pintada?"´, disse o artista Wellington César Veríssimo, que trabalha há 12 anos com pintura corporal. Segundo ele, também dá para "disfarçar muita coisa com a pintura". "Você pode levantar o seio, arrumar o bumbum, porque acaba sendo uma ilusão de ótica. Só não pode estar muito gordo", afirmou Veríssimo.

Agencia Estado,

12 Fevereiro 2007 | 20h07

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.