Raios já mataram 30 pessoas no País em 2010

Cerca de 50 milhões de raios caem em todo Brasil, sendo que 80% desses caem na primavera e verão, entre outubro e março; 230 pessoas morreram nos últimos dez anos em SP

Fabiana Marchezi, estadão.com.br

29 Setembro 2010 | 15h38

 

SÃO PAULO - Ao menos 30 pessoas morreram atingidas por raio este ano no Brasil. Somente no Estado de São Paulo, oito pessoas morreram após serem atingidas por descargas elétricas entre janeiro e setembro de 2010. Em todo o ano passado, 131 pessoas morreram, sendo 25 paulistas. Já em 2008, foram contabilizadas 160 mortes, sendo 23 no Estado de São Paulo.

 

De acordo com o Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), somente nos últimos seis dias, 23.520 raios caíram sobre o Estado de São Paulo. No domingo, 26, foram registrados 9.548 descargas elétricas no Estado. Na terça-feira, 28, 5.851 raios caíram no Estado.

 

Segundo o Elat, anualmente, cerca de 50 milhões de raios caem no País. Desse total, 80% caem na primavera e verão, entre outubro e março. A probabilidade de ser atingido por um raio no Estado de São Paulo, nos últimos 10 anos, foi de 0,6 em um milhão.

 

Os Estados mais atingidos por raios são Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. Já o número de mortes nos últimos dez anos é maior em São Paulo, onde foram registrados 230 óbitos; seguido do Rio Grande do Sul (106 mortes), Minas Gerais (99), Mato Grosso do Sul (89), Goiás (80) e Paraná (79). A possibilidade de morrer atingido por um raio quando jovem ou adulto é o dobro da de uma criança ou idoso. A faixa etária entre 20 e 39 anos é também a que tem mais vítimas: 43% do total.

 

O morador da zona rural tem 10 vezes mais chances de morrer atingido por uma descarga elétrica. A região Sudeste é a que registra o maior índice de mortes, 29%, porém, a região que apresentou a maior probabilidade de morrer por um raio é a Centro-Oeste, com 22 em um milhão. O estado de São Paulo teve o maior número de mortes na década, 230 (17% do total).

 

Entretanto, como a população paulista é a maior do Brasil, a probabilidade de morrer por um raio neste Estado foi de 6 em um milhão. A probabilidade mais alta de morrer por uma descarga atmosférica está nos estados de Tocantins (46 em um milhão) e Mato Grosso do Sul (43 em um milhão).

 

Precauções. O maior perigo é ficar em local descampado, como campos de futebol, pastagens, estradas, montanhas e à beira de lagos. Procurar abrigo debaixo de árvores é um erro muito comum e pode ser fatal. Se não for possível entrar em uma residência, é melhor ficar agachado no chão, com as mãos na nuca e os pés juntos. Se possível, entrar um automóvel, ônibus ou van, mantendo, se possível, as janelas fechadas.

 

Caso não seja possível, as janelas podem ficar parcialmente abertas. Ficar dentro de objetos metálicos fechados como carros, ônibus e aviões é seguro porque o raio não consegue penetrar neles, porém ficar do lado de fora destes objetos ou próximo de quaisquer outros objetos metálicos é perigoso pois deles podem partir descargas elétricas indiretas, as quais podem provocar ferimentos e morte.

Mais conteúdo sobre:
Raios mortes São Paulo Elat Inpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.