Rapaz de 17 anos mata a mãe com golpes de faca

A professora da rede estadual de ensino do Paraná Maria Célia dos Santos, de 48 anos, foi morta a facadas pelo próprio filho, o estudante E.C.S., de 17 anos, na noite de sexta-feira, em Apucarana, a 370 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná. O corpo foi encontrado na madrugada de sábado pela polícia, abandonado desnudo em um asfalto a cerca de dois quilômetros da residência onde o assassinato aconteceu.De acordo com o delegado Marcolino Aparecido da Costa, E.C.S. e a mãe moravam juntos. Ela já tinha feito dois registros policiais de ameaça que ele fizera e o rapaz tinha passagem pela polícia por uso e tráfico de substância entorpecente. "Mas a mãe achava que podia recuperá-lo", disse o delegado. Segundo Costa, depois da identificação do cadáver, a primeira suspeita recaiu sobre o filho.Na primeira vez, ele negou, dizendo que chegara em casa com o carro da mãe e que achava que ela estava dormindo. Na segunda, disse tê-la encontrado morta e fez toda a limpeza, pois achava que a polícia iria desconfiar dele. Só na terceira conversa, quando a polícia já tinha vários vestígios da autoria, ele acabou confessando.De acordo com o delegado, ele não deu qualquer justificativa para a morte e negou que estivesse drogado. "Disse apenas que viu a faca, deu vontade de matar e matou", afirmou o delegado. Em seu depoimento, E.C.S. relatou que cometeu o crime com uma faca que a mãe acabara de usar para descascar uma maçã. Ela foi morta com dois golpes profundos. Um cortou a jugular direita e deixou um ferimento de cerca de 10 centímetros que deixou à mostra o osso da coluna. Pelo corpo havia ainda vários sinais de hematomas.Depois de matar a mãe, o filho colocou o corpo no chuveiro para que escorresse todo o sangue. Enquanto isso, limpou a casa. Pela madrugada, abandonou o corpo no asfalto e voltou para dormir. Ele foi abordado pela polícia dentro de casa.E.C.S. está à disposição da Vara da Infância e da Juventude. Respondendo pelo crime de homicídio qualificado, pode ficar internado em um reformatório até completar 21 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.