Rapaz é assassinado em briga de trânsito em SP

Almeida Júnior diminuiu velocidade em lombada eletrônica e levou tiro de motorista irritado

Camilla Haddad e Daniela do Canto, O Estadao de S.Paulo

02 Julho 2009 | 00h00

O estudante Jair Olímpio de Almeida Júnior, de 22 anos, foi assassinado com um tiro no peito às 18h30 de anteontem, após supostamente irritar um motorista na Avenida Nordestina, na Vila Curuçá, zona leste de São Paulo. A vítima faz parte de um dado alarmante: segundo a Polícia Militar, diariamente a corporação recebe de 350 e 400 ligações com chamados para atender brigas de trânsito.Segundo o capitão Emerson Massera, porta-voz do serviço de Comunicação Social da PM, os policiais costumam atender aos chamados, já que pequenos desentendimentos entre motoristas podem, muitas vezes, acabar em tragédia, como a de anteontem.Quando foi morto, Almeida Júnior estava com um amigo no carro, uma Picape Corsa. A Polícia Civil informou que ele estava ao volante quando foi surpreendido pelo atirador, que dirigia um Fiat Tipo vinho. Segundo testemunhas, o motorista do Fiat Tipo teria ficado irritado e buzinado diversas vezes quando Almeida Júnior diminuiu a velocidade para passar por uma lombada eletrônica, na Rua Cônego Antônio Manzi. O estudante foi atingido com um tiro no peito logo ao entrar na Avenida Nordestina, depois de frear novamente, quando passava perto de outra lombada eletrônica - dessa vez, o equipamento estava desativado. Uma testemunha viu o atirador disparar por três vezes e fugir em seguida, sem deixar pistas. Na lataria do carro ficaram duas marcas de tiros: uma na lateral e outra na porta do motorista. O amigo de Almeida Júnior que estava na picape não ficou ferido. Ele disse à polícia que não conseguiu anotar a placa do veículo do atirador, pois o carro saiu do local do crime em alta velocidade. Vanderlei de Almeida, um dos quatro irmãos da vítima, disse em entrevista a uma emissora de televisão que a família sempre se preocupou com a violência, mas nunca imaginou que pudesse vivenciar um caso tão próximo. "Infelizmente, hoje foi com meu irmão; amanhã acontece com outra pessoa." Ele disse que o irmão não tinha inimigos.O corpo do estudante foi velado ontem no Cemitério da Saudade, na zona leste. Cerca de cem pessoas estavam no local. O enterro está previsto para as 14 horas de hoje. O caso foi registrado como homicídio no 67º DP (Jardim Robru) e será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A reportagem tentou falar com o delegado responsável pelo caso, mas não obteve retorno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.