Raptada, esposa de PM foge do cativeiro

A esposa de um soldado da Polícia Militar, que foi raptada por cinco pessoas na última segunda-feira, na zona leste de São Paulo, conseguiu fugir nesta quarta-feira, no início da noite, do cativeiro onde era mantida. Os acusados estão foragidos. Por volta das 22 horas de segunda-feira, Geni Avigo, de 37 anos, esposa de um policial que integra o Corpo Musical da Polícia Militar de São Paulo, estava num ponto de ônibus na Avenida Celso Garcia, na zona leste, quando foi abordada por um grupo de homens e mulheres, alguns armados, que a obrigaram a entrar num veículo.Segundo o escrivão Chaves, da Delegacia de Arujá, onde a ocorrência está sendo registrada, os bandidos circularam com a vítima por São Paulo e Itaqüaquecetuba, na Grande São Paulo, até chegar a uma chácara em Arujá, município vizinho a Guarulhos.Neste local, Geni teria sido mantida em cativeiro até esta quarta-feira, quando conseguiu escapar. No momento da fuga, ela deveria ser vigiada pelas mulheres que participaram do rapto, mas, num descuido delas, a vítima saiu e ligou para a polícia. Geni contou que quatro homens e três mulheres estavam envolvidos no crime. Um fato que chama a atenção é que os acusados não pediram um valor para o resgate da vítima que, de acordo com o escrivão, está bem de saúde e se encontra na delegacia neste momento, onde o delegado Marco da Silva está elaborando um boletim de ocorrência sobre o rapto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.