Marielle Franco/Facebook
Marielle Franco/Facebook

Raquel Dodge destaca cinco procuradores para acompanharem caso Marielle

A equipe trabalha desde outubro de 2017 para traçar um diagnóstico dos crimes federais no Rio e propor soluções estruturais para melhor a segurança pública no Estado

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 12h21

BRASÍLIA  A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, designou cinco membros do Ministério Público Federal para acompanharem as investigações dos assassinatos da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco e do motorista Anderson Pedro Gomes. A portaria com a composição da equipe foi assinada na semana passada e foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 20.

O grupo é formado pelo procurador regional da República Marcelo de Figueiredo Freire e os procuradores da República do Rio de Janeiro Orlando Monteiro Espíndola da Cunha, Paulo Henrique Ferreira Brito, José Maria de Castro Panoeiro e Eduardo Santos Oliveira Benones.

+++ Líder do PSOL diz que intervenção é 'nuvem de fumaça' para fracasso na Previdência

De acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR), os procuradores destacados já compõem o grupo estratégico que atua no enfrentamento aos crimes federais no Rio. "A equipe trabalha desde outubro de 2017 para traçar um diagnóstico da situação e propor soluções estruturais para a melhoria da segurança pública no Estado", informa nota publicada no site da PGR. "A designação dos procuradores já foi comunicada às Polícias Civil e Federal e ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro", acrescenta.

A vereadora, de 38 anos e que era filiada ao PSOL, foi morta a tiros na noite de 14 de março dentro do carro em que seguia para casa. O ataque à Marielle ocorreu na Rua Joaquim Palhares, no centro do Rio. Ela voltava de um evento na Lapa, na mesma região, quando foi atingida. O seu motorista, Anderson Pedro Gomes, também morreu baleado.

Marielle ficou conhecida como militante do movimento negro e de direitos humanos, com denúncias recentes de violência policial contra moradores de favelas no Rio.

A polícia ainda tenta esclarecer os crimes e encontrar os culpados. Houve ao menos nove disparos e os criminosos conseguiriam fugir, sem levar nada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.