Reação foi para o PT não faturar eleitoralmente, diz Serra

O candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB), deu hoje sua versão para que ele, tucanos e pefelistas terem vinculado, na semana passada, o PT às ações da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). "A reação do PSDB foi para que eles (o PT) não faturassem eleitoralmente", em cima da crise da segurança pública paulista. "Não se pode fazer disso (crise da segurança) um jogo eleitoral. Quem começou foram eles", afirmou.Em entrevista concedida na quinta-feira em Jales, no interior paulista, Serra seguiu a mesma linha de crítica adotada pelo presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC). ?Há indícios (de ligação do PT com o PCC). Basta olhar as manifestações do crime organizado. O que eles dizem da política, o que dizem que eles dizem, segundo gravações, afirmou o tucano, que fez campanha em Francisco Morato e Franco da Rocha.Em seguida, Serra, sem citar o nome do Jilmar Tatto, disse que uma das cooperativas de perueiros de São Paulo era ligada ao secretário de Transportes do PT. ?Ele tem ligações notórias com esse pessoal?, afirmou Serra.Tatto foi acusado de ter pedido a inclusão de perueiros ligados ao PCC em uma outra cooperativa. Como não foram encontradas provas contra o ex-secretário de Marta, a Justiça não acatou o pedido de prisão.Na última sexta-feira, o PT ingressou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com uma notícia-crime contra Serra, por causa das acusações feitas ao PT e a Jilmar Tatto, ex-secretário dos Transportes da gestão Marta Suplicy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.