Rebelião atingiu 29 unidades. Houve 12 mortes.

Já são 12 o número de mortos na maior rebelião de presos em toda a história do sistema carcerário brasileiro, de acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. O maior número de mortos foi registrado na cadeia pública de Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo, onde cinco presos foram mortos, em circunstâncias ainda não inteiramente esclarecidas.Segundo o secretário de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo, Nagashi Furokawa, houve três mortos na Casa de Detenção, na zona norte da capital paulista, um na Penitenciária do Estado, dois no Centro de Detenção Provisória do Belém, na zona leste, e um em Pirajuí, no interior paulista - invadido por volta de 11h por 150 soldados da Tropa de Choque. A rebelião, de acordo com informações divulgadas pela Assessoria de Imprensa da Secretaria de Segurança Pública, atingiu 29 unidades carcerárias, das quais 25 penitenciárias e quatro cadeias públicas. Deste total, a situação já estaria controlada em 16 estabelecimentos penitenciários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.