Rebelião de presos já dura 24 horas em Minas

Os 673 presos do Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) de Betim, na região metropolitana da capital mineira, continuam mantneod duas pessoas como reféns numa rebelião que já dura 24 horas. No final da tarde, um termo de negociação foi assinado entre dois representes dos presos e uma comissão formada por um promotor, o diretor do presídio e polícias Militar e Civil. Pelo termo, os dois reféns seriam soltos para que as principais reivindicações dos amotinados fossem atendidas.Segundo o comandante das operações, coronel PM Reinaldo Martins, os detentos estão armados com três revólveres calibre 38. O prédio continua cercado por cerca de policiais militares. A PM lançou várias bombas de gás lacrimogêneo para pressionar os detentos. Não há informações de feridos.Segundo a Secretaria de Defesa Social de Minas, o principal líder da rebelião foi identificado como Rogério Ferreira da Silva Júnior, condenado por tráfico de drogas e roubo. A superlotação está entre as principais queixas dos detentos do centro. Inaugurado há três anos como um ?modelo de segurança?, o Ceresp de Betim tem 104 celas com capacidade para 420 presos temporários ? que aguardam julgamento. Dos atuais 673 presos, cerca de 400 já foram condenados e deveriam estar cumprindo penas em presídios do Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.