Rebelião em Cuiabá já dura mais de 30 horas

A rebelião no presídio do Carumbé, em Cuiabá, já dura mais de 30 horas. Ontem, durante o banho de sol, 60 dos 380 presos mataram o detento Paulo Auto dos Santos e mantêm reféns dois agentes carcereiros. Desde a noite de segunda-feira os presos estão sem água, alimentação e energia elétrica. As negociações não avançam porque algumas solicitações dos presos não podem ser atendidas, segundo o capitão Alexandre Maia.Os presos exigem, entre outras coisas, a revisão de penas, a demissão do diretor, Elpídio Onofre Claro, e a volta da entrada de comida com as visitas. Entre os pedidos considerados excêntricos na pauta de negociações os detentos pedem uma geladeira em cada cela, ventilador, churrasqueira elétrica, cotonetes, xampu, condicionador e dois quilos de carne por semana em cada cela.Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Justiça e Cidadania de Mato Grosso, o governo do Estado não vai negociar e nem atender as reivindicações enquanto os presos permanecerem amotinados e com os dois reféns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.