Rebelião em Mirandópolis deixou 3 feridos

A rebelião em Mirandópolis, a 630 quilômetros de São Paulo, foi menos tranqüila que a primeira versão divulgada pela direção da Penitenciária Nestor Canoa. Nesta segunda-feira, o diretor do presídio, Alceu Aparecido Paulo Faisting, disse que 9 pessoas se recusaram a deixar o pátio depois do horário das visitas no último domingo. A saída delas só ocorreu com a invasão da tropa de choque da Polícia Militar, por volta das 19 horas, quando também foi negociada a entrada dos presos em suas celas. Na confusão, vários detentos ficaram feridos, sendo que três deles foram socorridos no Hospital do Estado em Mirandópolis e receberam alta médica na madrugada desta segunda-feira, conforme declarou o diretor. Foram eles: Maurílio Ramos dos Santos, 45, de Sorocaba; Robson de Paula Silva, 20, de Embu das Artes; e Marcelo Lima Santos, 22, de São Bernardo do Campo. Faisting disse ainda que em nenhum momento os 830 presos tiveram o controle da situação.Na Penitenciária II da mesma cidade, outros 800 sentenciados permaneceram no pátio. Segundo o diretor da unidade, Ricardo Sperandio, "a manifestação foi pacífica e sem incidentes".Equipes de soldados da Polícia Militar também entraram no presídio para negociar o retorno dos presos às celas, mas, segundo Sperandio, não houve confronto físico ou qualquer dano à estrutura do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.