Rebelião em Presídio na Bahia termina depois de 55 horas

Três detentos mantidos como reféns foram libertados sem ferimentos graves; um preso morreu

Tiago Décimo, de O Estado de S. Paulo,

10 de fevereiro de 2010 | 18h02

Depois de mais de 55 horas de negociação, a rebelião no Presídio de Serrinha (BA), 173 quilômetros a noroeste de Salvador, terminou às 16h15 de hoje (quarta-feira, horário de Brasília).

 

Segundo informações da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos da Bahia, os 25 rebelados cederam e permitiram a entrada dos policiais na unidade conhecida como Seguro, onde ficam os presos mais perigosos, que estava isolada. Os três detentos que eram mantidos reféns foram libertados sem ferimentos graves aparentes e encaminhados a um posto médico no município.

 

A rebelião havia começado às 8h50 de segunda-feira, quando os presos quebraram o mecanismo de controle automático de fechamento das celas, usando uma barra de ferro. Em seguida, eles dominaram quatro detentos da ala destinada a ameaçados de morte. Um deles, Joselito Alves da Silva, foi assassinado ainda naquela manhã.

 

A reivindicação era a transferência de 14 presos para Salvador. Eles seriam integrantes de uma quadrilha de tráfico de drogas que promoveu uma série de ataques a postos policiais e a ônibus em setembro do ano passado. Naquele mesmo mês, foram transferidos para Serrinha.

 

A secretaria não atendeu ao pedido dos rebelados e acabou vencendo-os pelo cansaço: após dois dias sem fornecimento de alimentação, água ou energia elétrica, os presos desistiram do motim em troca de três regalias: que não fossem transferidos novamente, que recebessem um novo kit de higiene e que pudessem tomar banho ainda hoje.

 

Segundo a secretaria, os rebelados vão responder por homicídio, cárcere privado e destruição do patrimônio público.

Tudo o que sabemos sobre:
Serrinharebelião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.