Rebelião na Detenção de Benfica deixa 4 policiais feridos

O secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, informou que pelo menos quatro policiais militares que faziam a segurança das guaritas da Casa de Custódia de Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro, ficaram feridos. Um deles se jogou da guarita, que fica em cima do muro de cerca de quatro metros de altura.Presos desta detenção iniciaram uma rebelião na manhã deste sábado. A polícia foi acionada e houve troca de tiros. Até o início da tarde, os presos continuavam rebelados e, de acordo com policiais que trabalhavam na negociação, 15 pessoas eram mantidas como reféns, entre agentes penitenciários e prestadores de serviços (veja mais informações no link abaixo).Enquanto homens dos batalhões de Choque e de Operações Especiais da PM mantinham o cerco à Casa de Custódia, o secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, participava do programa de rádio da Governadora Rosinha Matheus. "A polícia agiu rapidamente, o local está cercado e a situação está absolutamente sob controle", disse Garotinho.Quatro carros foram roubados nas imediações durante a fuga. Pereira dos Santos não revelou o número de fugitivos. Segundo policiais, os rebelados portavam até fuzis e chegaram a queimar colchões.ExigênciasDentro do presídio, os detentos faziam buracos nas paredes da unidade recém-construída e gritavam palavras de ordem. Garantindo que estavam armados, eles diziam que também mantinham presos de outras facções com reféns. A maioria dos rebelados faz parte do Comando Vermelho.Os presos pediam a garantia da integridade física e a presença no local de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Secretaria de Direitos Humanos. O subsecretário de Direitos Humanos, Paulo Baía, acompanhou as negociações conduzidas por oficiais da PM e um psicólogo da Administração Penitenciária.Paralelamente ao cerco, a Polícia Civil desencadeou operações nas imediações do presídio na tentativa de recapturar fugitivos. Apenas três haviam sido recapturados até o início da tarde. Amedrontados, moradores protestaram contra a localização da Casa de Custódia, que fica bem próximo da casas e em frente a duas escolas públicas. O forte clima de tensão também marcavam parentes de detentos que aguardavam informações na porta da casa custódia.MenoresOutra fuga ocorreu na madrugada de ontem. Treze menores infratores fugiram na madrugada do Instituto João Luiz Alves, na Ilha do Governador, na Zona Norte. Os detentos pularam o muro. De acordo com a Secretaria Estadual da Infância e Juventude, moradores da favela do Barbante, próximo ao local, teriam ajudado na fuga, jogando uma corda para dentro do instituto. O 17º Batalhão da Ilha do Governador foi acionado e um menor foi recapturado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.