Rebelião na penitenciária de Martinópolis continua

A rebelião na penitenciária de Martinópolis, no interior de São Paulo, que começou na tarde desta quarta-feira continua. Trinta pessoas ainda são mantidas reféns mas não há informações sobre feridos. O diretor da unidade, Antônio Sérgio de Oliveira e outros dois promotores retomaram as negociações às 7h30 de hoje. Os presos ainda não apresentaram suas reivindicações, mas provavelmente, segundo a assessoria da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado, será a transferência dos presos para outro local. O tumulto surgiu após uma tentativa de fuga promovida por um grupo de detentos que se encontrava no setor de atendimento jurídico da unidade. Os presos renderam os dois advogados e os agentes penitenciários que os vigiavam para tentar uma fuga. Como não conseguiram deixar a penitenciária, eles dominaram 34 pessoas e deram início a uma rebelião que permanece até o momento. Por volta das 22 horas de ontem, quatro agentes penitenciários foram libertados e as negociações foram interrompidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.