Rebelião no Rio acabou sem invasão da polícia, diz diretor

O diretor do Presídio Ary Franco, em Água Santa, major Alexandre Azevedo de Jesus, confirmou que oito presos morreram num acerto de contas entre traficantes de uma mesma facção. Segundo ele, a briga começou no momento em que os agentes penitenciários faziam a contagem dos presos. Os guardas foram rendidos por um grupo e tiveram de abrir as celas para que os detentos rivais fossem retirados e mortos. Os agentes contaram que ficaram duas horas em poder dos criminosos, mas não assistiram às execuções. Foram apreendidos oito estoques - facas artesanais. Azevedo de Jesus garantiu que não houve troca de tiros nem invasão da polícia na unidade. "Assim que os presos acertaram as contas eles entregaram as armas, se renderam e acabou o tumulto", disse o diretor. Azevedo de Jesus já identificou os presos, mas não vai divulgar os nomes no momento. O major informou ainda que não recebeu nenhum aviso do serviço de inteligência da Secretaria de Assuntos Penitenciários nem do sindicato dos agentes sobre uma possível matança entre os presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.