Ed Santos/Acorda Cidade
Ed Santos/Acorda Cidade

Rebelião no interior da Bahia foi ordenada por ex-detento, diz polícia

Acusado é um dos principais traficantes do interior baiano e, nos últimos anos, controlou a unidade prisional; ele foi solto há um mês

TIAGO DÉCIMO, Especial para O Estado

26 Maio 2015 | 16h47

SALVADOR - A rebelião no Pavilhão 10 do Conjunto Penal de Feira de Santana (BA), ocorrida entre a tarde de domingo e a manhã de segunda-feira, 25 foi ordenada por um ex-preso, que deixou a carceragem há um mês, após cumprir pena por sete anos, segundo a polícia baiana. O motim deixou nove detentos mortos e outros quatro feridos.

De acordo com o responsável pelas investigações, o delegado João Rodrigo Uzzum, da 1ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), o acusado, identificado apenas como Rafael, é um dos principais traficantes de drogas do interior baiano e controlou, nos últimos anos, a unidade prisional na qual ocorreu o motim. 

Segundo o delegado, depoimentos de detentos e de familiares de presos que foram feitos reféns durante a rebelião apontam que teria partido de Rafael a ordem para que seus comparsas matassem Haroldo de Souza Brito, apontado como o atual líder do pavilhão, e integrantes de seu grupo, durante o horário de visitas, no domingo. O motivo seria a disputa pelo controle da unidade e disputas por pontos de venda de drogas na região. Os homicídios deram origem ao motim.

Segundo Uzzum, foi identificada a participação de 17 detentos nos homicídios. Nesta terça-feira, 26, eles foram transferidos para o Presídio de Segurança Máxima de Serrinha, a cerca de 100 quilômetros dali. Eles vão responder por homicídio, tentativa de homicídio e formação de quadrilha. Rafael segue foragido.

Mais conteúdo sobre:
Feira de Santana Bahia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.