Rebelião termina com um morto e dois feridos na Paraíba

Presos destruíram as paredes internas e grades das celas do complexo penitenciário PB1 e PB2

Adelson Barbosa dos Santos - Agência Estado,

30 de maio de 2012 | 14h08

Atualizado às 15h30.

JOÃO PESSOA - Um preso morreu e dois ficaram feridos durante as 17 horas de rebelião no Complexo de Segurança Máxima Romeu Gonçalves de Abrantes (PB1 e PB2), na Praia de Jacarapé, na zona sul de João Pessoa. A rebelião teve início por volta das 21h desta terça-feira, 29.

 

Os presos destruíram as paredes internas e grades das celas do complexo penitenciário. Teriam usado duas bananas de dinamite para provocar a destruição. Uma banana foi encontrada intacta pela PM.

 

Para conter a rebelião, no início da tarde de hoje, o complexo penitenciário foi invadido por 200 policiais militares, ao mesmo tempo em que outra rebelião era iniciada na Penitenciária Flóscolo da Nóbrega, no bairro do Róger, perto do centro da cidade. Segundo a PM, as duas rebeliões estão controladas.

 

Divergências entre grupos criminosos que lutam pelo comando interno dos presídios teriam motivado a rebelião. O presidente da OAB na Paraíba, Odon Bezerra, esteve no complexo penitenciário PB1 e PB2 e constatou a destruição. Segundo ele, não há como os detentos continuarem no local.

Mais conteúdo sobre:
paraíbarebeliãopresídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.