Rebeliões em presídios no Ceará deixam dois detentos mortos

Revolta começou pela manhã, quando mulheres dos presos foram impedidas de visitá-los devida à greve dos agentes prisionais

Carnen Pompeu, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2016 | 19h41

Fortaleza - Uma onda de rebeliões foi deflagrada, neste sábado, em pelo menos seis unidades do Sistema Penitenciário do Ceará. Duas mortes foram confirmadas. Um na CPPL 1 e outro na CPPL 3. Na primeira, um detento foi executado a golpes de cossoco. Na outra,  um preso foi morto e teve seu corpo carbonizado. A retirada dos corpos ainda não foi feita.

A revolta começou pela manhã em uma das unidades quando as mulheres dos presos foram impedidas de visitá - los em conseqüência da greve dos agentes prisionais. Em resposta, as mulheres fecharam os dois sentidos da BR-116, no trecho próximo ao unidade prisional de Itaitinga, causando um congestionamento na via por duas horas.

O governador do Ceará, Camilo Santana ( PT ), está reunido com as autoridades de Segurança. Ele não descarta a possibilidade de pedir ajuda da Força de Segurança Nacional.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.