Recém-inaugurado, rodoanel tem sete acidentes e uma morte

Em cerca de três dias de funcionamento, sete acidentes de trânsito ocorreram no km 1 do rodoanel Mário Covas, em Perus, na zona norte de São Paulo. Os acidentes foram registrados no ponto onde a pista recém-inaugurada liga-se com a avenida Raimundo Pereira de Magalhães. Às 10h desta terça-feira, o rodoanel registrou a primeira morte: um motoqueiro, que não tinha sido identificado até o início da tarde, chocou-se com um Gol, foi atropelado e acabou morrendo no Pronto-Socorro de Taipas.O número alto de ocorrências em tão pouco tempo explica-se por um desvio clandestino que está sendo usado pelos motoristas que querem acessar a pista sentido Caieiras da avenida. O rodoanel não dispõe de alça de acesso direto a essa pista, e liga-se apenas com a faixa sentido capital. No entanto, uma hora de observação no local mostra que cerca de metade dos veículos que vêm pelo rodoanel tem por objetivo entrar na Raimundo Pereira, em direção à cidade de Caieiras. Há placas indicando o sentido de Caieiras na pista do rodoanel, que estão cobertas por plástico.O jeitinho vem sendo usar a entrada de uma pedreira como uma espécie de balão para acessar a faixa desejada. Muitos motoristas que passaram pelo local queixavam-se de que a obra recém-inaugurada foi malfeita no trecho. ?Acho que entregaram esse pedaço inacabado?, afirmou um sargento da PM, que não quis dar o nome. Os dados sobre as batidas são de marronzinhos da CET, que foram deslocados para ficar de plantão no local. Seis das ocorrências foram de pequeno porte e não tiveram registro policial. O Dersa não confirma esses números.Para poder fazer o retorno clandestino, o motorista fica obrigado a observar três faixas: a alça do rodoanel e as duas da avenida. São poucos os que respeitam a velocidade máxima de 60 km/h. Quem vem do rodoanel, depois de uma curva, dá de cara com os veículos querendo cruzar a pista. O motorista tem 50 metros para frear, buzinar ou passar, distância que é percorrida em cerca de dois segundos pelos carros que passam pelo local.Na tarde desta terça-feira, vários ?quase acidentes? foram presenciados. Às 14h45, um Escort entrou na pista junto com uma carreta, que bloqueou a visão do motorista. Em alguns momentos, cinco carros, cada um querendo abrir mais a curva do que os outros, ficam na espera de que o tráfego intenso da avenida dê um espaço para que se cruze a pista.Os motoristas ficam sem visão dos veículos que cruzam em alta velocidade. ?Isso aqui ficou uma confusão enorme?, afirma o aposentado Jonas Barbosa, que usou o desvio irregular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.