Recompensa faz pessoas se atirarem na Rodrigo de Freitas

Pela recompensa de R$ 500,00, várias pessoas continuaram ontem a mergulhar nas águas poluídas da Lagoa Rodrigo de Freitas em busca de um relógio Rolex, que desapareceu no lodo. O relógio, objeto de estimação, foi roubado na manhã de quarta-feira do economista Jorge Garcia Filho e atirado na água pelo assaltante Adriano Batista Jonas, de 22 anos, que foi preso.O faxineiro José Antônio da Silva, de 32 anos, foi um dos que passaram o dia na água. ?Pelo relógio, eu faria qualquer coisa. Comprava umas roupas e pagaria o aluguel com a recompensa?, informou Silva, que pesca, por hobby, há quatro anos na Lagoa e disse não ter medo de entrar na água poluída.Já o motoqueiro Alexandre Cruz, de 31 anos, observava de longe o esforço do pescador. ?Sou mais minha saúde. Não teria coragem de entrar na água, mesmo porque nunca encontraria esse relógio. A chance é uma em um milhão?. Ao contrário de outras pessoas, Cruz não receberia os R$ 500. ? Se ele quisesse me dar, tudo bem, mas não cobraria. Devolveria o relógio pelo valor sentimental.? Quatro meninos de rua também se arriscavam na água da Lagoa, em busca da recompensa. ?Eu ia comprar roupas e uma bicicleta?, disse o menor Juliano, de 15 anos. Sua prima, Natália, da mesma idade, também fez planos. ?Queria o dinheiro para comprar minha roupa de natal.? O economista Jorge Garcia Filho disse que não tem mais esperanças de encontrar o Rolex, que estava com ele há 19 anos. ?O relógio era bom, mas o que importa é o valor sentimental?, disse ele, que não sabe avaliar o preço do objeto. Durante o assalto, Garcia conseguiu dominar o assaltante, que estava com uma arma de brinquedo. Na perseguição, o criminoso atirou o relógio na água. Garcia chegou a contratar mergulhadores profissionais para vasculhar a Lagoa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.