Reconstituição do assassinato de alemã confirma versão da polícia

Viúvo e sogro de Jennifer confessaram participação; que visava seguro de vida da vítima; sogra de Jennifer seria suposta mentora e mandante

Ângela Lacerda, de O Estado de S. Paulo

25 de março de 2010 | 17h47

Com a reconstituição do assassinato da turista alemã Jennifer Marion Nadja Kloker, encerrado na madrugada de ontem (25), a polícia civil praticamente fechou as investigações do caso. Dos quatro apontados como responsáveis pelo crime - todos presos - apenas Delma Freire de Medeiros, sogra de Jennifer e suposta mentora e mandante, não participou da reconstituição. Ela continua alegando inocência.

 

O viúvo e o sogro da alemã naturalizada italiana, Pablo e Ferdinando Tonelli, confessaram participação, assim como o vigilante Alexsandro Neves dos Santos, que a teria executado com três tiros no tórax, um deles no coração, contratado por R$ 5 mil.

 

O delegado Joselito Amaral, que considera o caso basicamente concluído, assegura haver provas da participação de Delma "neste crime horrendo". A motivação foi dinheiro. Com a morte de Jennifer, Ferdinando seria beneficiário de um seguro de vida. Ontem (25), a cunhada de Jennifer, Roberta Freire, foi até a Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) para o sobrinho - filho de Jennifer e Pablo, de três anos - se despedir do pai. Ela vai retornar para a Itália com a criança, que ficará sob sua guarda. Roberta disse ter pena do irmão e não fala com a mãe, a quem acusa de ter tentado prostituí-la na Itália.

 

A reconstituição teve início às 23 horas de anteontem (24) e durou mais de duas horas . Os policiais refizeram o trajeto do carro alugado em que os Tonelli, Jennifer, Delma e a criança fizeram desde o bairro do Curado, no Recife, até o município metropolitano de São Lourenço da Mata. Em uma parada, Delma desceu e entregou o revólver a Alexsandro que entrou no carro, sob a alegação de que iria pegar uma carona. Era noite da terça-feira de carnaval (16). O corpo de Jennifer, de 22 anos, foi encontrado na madrugada seguinte às margens da BR-408, em São Lourenço da Mata.

 

O inquérito deve ser concluído na próxima semana. Todos os quatro suspeitos devem ser indiciados por homicídio qualificado, que tem pena prevista de 12 a 30 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.