Reconstrução do centro velho de Goiás custará R$ 15 milhões

Autoridades e moradores de Goiás - declarada há um mês, pelas Nações Unidas, patrimônio histórico da humanidade - contabilizam os prejuízos provocados pelas chuvas fortes que atingiram a cidade, antiga capital do Estado e conhecida como Goiás Velho. De acordo com a Defesa Civil, 16 pontes, 81 casas históricas e 23 estabelecimentos comerciais ficaram praticamente destruídos.O Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) calcula que serão necessários pelo menos R$ 15 milhões para reconstruir apenas as moradias danificadas. Cálculos de todos os prejuízos da cidade deverão ser divulgados amanhã.Preocupado com a situação, o presidente Fernando Henrique Cardoso visitará na tarde de amanhã a cidade, que foi fundada em 1721. Junto com ele, deverão estar o ministro da Cultura, Francisco Weffort, o presidente do Iphan, Carlos Henrique Heck, e um representante da Unesco. O grupo encontrará uma cidade bem diferente da de um mês atrás, quando foi concedido o título de patrimônio histórico. Vários edifícios foram atingidos, entre eles a casa da poetisa Cora Coralina, morta em 1985. No imóvel funciona um museu e parte do acervo foi destruído e levado pelas águas do Rio Vermelho, que corta a localidade de Goiás. Os manuscritos da escritora ficaram cobertos de lama.Apesar das chuvas que caíram na noite de hoje, o rio voltou a um nível mais próximo do normal. De acordo com o prefeito da cidade, Boadyr Veloso (PPB), só depois que o sol reaparecer será possível se ter uma idéia mais precisa dos estragos causados ao casario histórico.Reservas canceladasAlém dos danos aos imóveis, o município deverá perder receita com a queda do movimento turístico. Gerentes dos principais hotéis da cidade informaram que reservas foram canceladas porque os turistas pretendiam visitar edifícios históricos que caíram ou estão ameaçados de desabamento.As chuvas derrubaram até mesmo a Cruz de Anhangüera, que tem cinco metros de altura e é o símbolo da conquista da região pelos bandeirantes. Ela foi encontrada por bombeiros na margem do Rio Vermelho,De acordo com a Defesa Civil, 181 pessoas tiveram de ser retiradas de suas casas. O prefeito Boadyr Veloso disse que esses moradores estão hospedados na casa de parentes ou amigos. "A população é muito solidária, inclusive os turistas estão ajudando na limpeza de Goiás Velho", afirmou. Enchentes como a ocorrida nos últimos dias não eram vistas em Goiás Velho há 162 anos, quando a Igreja Nossa Senhora da Lapa, construída em madeira, foi arrastada pelas águas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.