Recuperação de rodovias será prioridade, diz ministro

O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio de Oliveira Bastos, disse nesta segunda-feira que a prioridade do governo para o setor no segundo mandato, já em 2007, deve ser o programa de manutenção e recuperação das estradas brasileiras. "Acho que temos que trabalhar de maneira muito firme nisso", disse Paulo Sérgio, ao chegar há pouco Ministério.Ele defende a necessidade de investimentos estratégicos, que já estão na agenda do governo, para possibilitar o desenvolvimento e o crescimento econômico. "Esses projetos devem ser tocados com todo empenho", afirmou.Na avaliação do ministro, as Parcerias Público Privadas (PPP), no setor de transporte, devem merecer "atenção especial do governo", como uma fonte suplementar para atrair "bons parceiros" para empreendimentos importantes, incentivando desta forma a iniciativa privada, com a perspectiva de realização de um bom negócio. Para o ministro as parcerias ajudarão o governo a ter uma capacidade mais efetiva e ampliada de responder aos desafios.Paulo Sérgio disse também que espera que o Tribunal de Contas da União (TCU) decida em curto prazo sobre o processo de concessão de sete rodovias federais, que somam cerca de 3 mil quilômetros de estradas. O processo está parado no TCU, desde meados do ano passado, quando o tribunal pediu que fossem refeitos os cálculos dos preços dos pedágios que serão cobrados dessas rodovias, quando forem privatizadas.Paulo Sérgio comemorou a reeleição do presidente Lula, embora admita que o resultado era previsível. "As pesquisas já indicavam uma vitória expressiva. E essa vitória terminou efetivamente se consolidando nas urnas", disse. Paulo Sérgio não soube informar se permanecerá no Ministério e lembrou que essa é uma decisão exclusiva do presidente da República. "O presidente é que vai fazer todas as articulações políticas e montar um ministério que seja mais conveniente para atravessar esses próximos quatro anos", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.